Briefing

Início > Entrevistas > Acordar as marcas adormecidas? Isso é Kiss

Acordar as marcas adormecidas? Isso é Kiss

terça, 26 julho 2016 12:54   António Fuzeta da Ponte, Paulo Afonso e Pedro Batalha, fundadores da Kiss

Acordar as marcas adormecidas? Isso é KissTudo começou com a campanha Vote CR7, que encheu Barcelona de graffiti, quando António Fuzeta da Fonte, Paulo Afonso e Pedro Batalha ainda estavam na Ativism. Mais recentemente, assinaram nova ação de marketing de guerrilha, colando em Paris cartazes em defesa da honra da seleção nacional – #QSFD. No entretanto, a sintonia entre os três levou-os a criar um projeto próprio – a Kiss, que se propõe acordar as marcas adormecidas com base no lema "keep it simple and spreadable".

 Briefing | O que vos levou a criar uma agência própria?

António Fuzeta da Ponte, Paulo Afonso e Pedro Batalha | Desde que começámos a trabalhar juntos, rapidamente sentimos afinidades e uma total sintonia. Por nossa conta decidimos desenvolver uma ideia que acabou por se tornar numa campanha premiada, o Vote CR7, onde começámos um movimento de apoio a Cristiano Ronaldo à conquista da bola de ouro. A campanha viveu em dois anos consecutivos e em ambos os momentos aproveitámos o contexto – as declarações de Blatter e Platini foram o rastilho para uma ação de grafitti nas ruas de Barcelona, e mais tarde, um vídeo na "casa" do francês. O sucesso destas ideias que passaram do offline para o online e que se tornaram virais, acabou por formar o ADN da Kiss. No Dia Mundial do Beijo, fundámos a Kiss.

Briefing | E Kiss porquê?

António, Paulo e Pedro | Porque é ao mesmo tempo um nome e um verbo, e é também uma metáfora daquilo que a agência se propõe fazer no universo da comunicação: beijar as marcas e as pessoas através de ideias simples e partilháveis – Keep It Simple and Spreadable – Kiss.

Briefing | Como chegarem a esse posicionamento de beijar as marcas?

António, Paulo e Pedro | A Kiss acredita no poder do beijo para acordar marcas adormecidas. É uma metáfora da aproximação e da relação que tem de existir entre as ideias e os objetivos das marcas, assim como, das estórias que as marcas querem contar, da vida das pessoas. Se um beijo for bem dado, geram-se emoções, partilhas e um relacionamento. É aí que entram as boas ideias e é aqui que entra a Kiss.

Briefing | É como o príncipe na história da Bela Adormecida ou da Branca de Neve...

António, Paulo e Pedro | A ser um príncipe votamos no da Bela Adormecida. Mas também podemos ser um anão, um burro, ou um monstro. O importante mesmo é termos a capacidade de, através de um beijo, provocar uma reação poderosa e imprevista.

Briefing | As marcas estão adormecidas? Porquê?

António, Paulo e Pedro | Sim, todos os dias vemos marcas adormecidas. Na televisão, no online, em outdoor. Dizemos que estão adormecidas porque muitas vezes não chegam ao coração dos seus consumidores. Não emocionam, não divertem, não envolvem. Acordar marcas é um trabalho difícil, que tem de ser feito a dois: marca e agência. Implica envolvimento e compromisso. Como deve imaginar, não temos nenhuma fórmula mágica, apenas muita experiência, muita vontade e algum talento.

Briefing | O que significa acordá-las do ponto de vista do marketing?

António, Paulo e Pedro | Significa aproximar universos que são habitualmente distantes. Beijamos as marcas com boas ideias para que estas possam beijar os clientes. O conceito e a capacidade de envolver as pessoas é mais importante que a plataforma a que se destinam. Acreditamos que as boas ideias são aquelas que passam do online para o offline, geram identificação, conversa e partilha.

Briefing | Com que marcas parte a Kiss? E o que lhes oferece de diferenciador?

António, Paulo e Pedro | A Kiss tem como clientes a FNAC, para a qual desenhou a campanha de reposicionamento, que tem como conceito ""Quando desligas do mundo, ligas-te a ti"; a Sony mobile, com quem desenvolvemos uma campanha digital para promover o lançamento o Xperia Z5 Premium que no total alcançou mais de 1 milhão de visualizações e com a qual estamos a trabalhar novas ideias; o Deutsche Bank para quem desenvolvemos a app "A minha lista de natal", que atingiu 1797 downloads iOS e 1973 downloads android, em apenas três semanas; e, num registo mais tradicional, sublinhamos a grande eficácia da campanha de promoção do Aquário Vasco da Gama em parceria com o Oceanário, com objetivo de aumentar o número de visitas ao Aquário.

Em pouco mais de duas semanas, o número de visitantes aumentou cerca de 1320%. O que oferecemos de diferenciador é a nossa vontade de ouvir os clientes, de estarmos próximos das suas necessidades. Além disso, há o nosso método, que nos guia desde o briefing até ao output criativo e que tem o nosso acrónimo: K – de keywords – as palavras chave que ajudam a definir o caminho criativo; I – de insight – ir beber às experiências e à análise de comportamentos, a verdade que nos ajuda a contar estórias; S – de simples, para chegar a maior número possível de pessoas é preciso simplificar; e S – de spreadable, a parte mais difícil e sempre imprevista, tornar as estórias partilháveis.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Modificado em quarta, 27 julho 2016 18:36


Considerações Legais     © 2016 briefing     Ficha Técnica  Estatuto Editorial