Briefing

Início > Media > “O Fim” da História tem app e pinta-se com graffiti

“O Fim” da História tem app e pinta-se com graffiti

sexta, 27 janeiro 2017 11:13

Para promover a superprodução "O Fim do Mundo", o canal História lança uma app e vai contar com o apoio do artista nacional Sérgio Odeith. A organização da iniciativa foi da responsabilidade da agência criativa do canal, Carimbo 360.

"De que forma iria a humanidade enfrentar uma tempestade de pedras, mega tsunamis, incêndios fora do controlo, temperaturas próprias de uma fornalha e uma camada de ozono destruída? Quem iria sobreviver? 'O FIM do Mundo' trata-se de uma superprodução do canal História que vai responder a estas perguntas através do pequeno ecrã, mas também através de uma recriação em 3D numa das zonas mais influentes de Lisboa e da nossa app de realidade virtual e aumentada", explica a diretora geral do History Channel Iberia, Carolina Godayol.

Desta forma, o canal conta com Sérgio Odeith que fará uma recriação tridimensional do que aconteceria se um meteorito atingisse a Gare do Oriente, em Lisboa. De dia 28 de janeiro a 2 de fevereiro, o artista vai estar no local a pintar em 3D um mural que ficará junto à Gare do Oriente até 12 de fevereiro, dia em que estreia a série.

O público terá oportunidade de interagir com o artista e com a arte urbana recriada, através de fotografias que podem ser partilhadas nas redes sociais com a hashtag #OfimdomundoHistoria.

O canal História vai ainda lançada uma app que visa explorar, através da realidade virtual e aumentada, o impacto de uma catástrofe.

A app, que estará disponível para Android e iOS, tem também um jogo de realidade virtual que desafia os usuários a sobreviverem a uma catástrofe. Existe também uma versão adaptada que permite usar óculos de realidade virtual para smartphones.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Modificado em sexta, 27 janeiro 2017 11:33


Considerações Legais     © 2016 briefing     Ficha Técnica  Estatuto Editorial