Segundo ecrã, um admirável mundo novo para as marcas

 

Segundo ecrã, um admirável mundo novo para as marcas
O chamado segundo ecrã, isto é os computadores, os tablets e os smartphones, está a ser cada vez mais utilizado pelos marketeers como complemento ao primeiro ecrã, isto é, a televisão. A conclusão é de um estudo da JWT Intelligence, a que o Briefing teve acesso.

O segundo ecrã – sublinha o relatório – pode transformar o ver televisão numa experiência partilhada – a social TV, permitindo aos fãs aprofundar a sua relação com as marcas e estendendo a mensagem para além dos tradicionais 30 segundos de publicidade. Ao tirarem partido destes ecrãs os marketeers estão a transformar algo que poderia ser negativo – o multitasking e a distração – em algo positivo: uma experiência de imersão na marca.

A partir destas conclusões gerais, a JWT identificou dez tendências na utilização do segundo ecrã pelos marketeers:

1 – Promover o pequeno ecrã durante grandes eventos ao vivo – Porque eventos anuais como a Super Bowl ou os Grammys são cada vez mais vistos através do segundo ecrã e geram cada vez mais buzz nas redes sociais;

2 – Incentivar e envolver – As aplicações móveis permitem recompensar os espetadores de televisão por verem anúncios, através de incentivos como cupões ou conteúdos que possam ser relevantes como receitas. Podem mesmo potenciar oportunidades de compra;

3 – Proporcionar experiências lúdicas através dos anúncios – Uma forma de incentivar os espetadores a verem publicidade e envolvê-los passa por criar elementos lúdicos, que sejam divertidos, por exemplo jogos e passatempos;

4 – Criar pontes entre os anúncios de televisão e elementos digitais – Em vez de apenas convidar os espetadores a visitar o site ou a página da marca no Facebook após um anúncio, os marketeers podem usar aplicações móveis para ligar rapidamente os consumidores a uma campanha online;

5 – Sincronizar o e-commerce com o conteúdo de televisão – As aplicações móveis oferecem uma forma fácil de associar a visualização de conteúdos publicitários com a compra, com gratificação para os consumidores e resultados para as marcas;

6 – Patrocinar extras no segundo ecrã – As marcas podem patrocinar experiências aos fãs através das aplicações móveis;

7 – Criar jogos para os fãs de desporto – Desta forma proporciona-se aos fãs informação suplementar e uma nova experiência de visualização;

8 – Ancorar hashtags nos anúncios – É uma forma básica de estender o anúncio para além dos 30 segundos e do canal de televisão, levando os consumidores a procurar a hashtag no Twitter;

9 – Possibilitar interatividade em tempo real – Deixar os espetadores influenciar o conteúdo ao vivo, através de uma simples votação, por exemplo, é uma ferramenta útil para as marcas;

10 – Criar oportunidades transmedia – A mesma história pode correr em várias plataformas, com um formato adequado a cada uma, permitindo aos espetadores sentir que fazem parte de um filme.

Fonte: JWT

 

Quarta-feira, 09 Maio 2012 11:20


PUB

PUB

2050.Briefing

À Escolha do Consumidor