Media Capital encerra semestre com diminuição nos resultados

Media Capital encerra semestre com resultados diminuídos
A Media Capital fechou o primeiro semestre deste ano com proveitos operacionais na casa dos 90,9 milhões de euros, um decréscimo de 23 por cento face ao período homólogo do ao anterior. Também nas receitas publicitárias, o grupo registou uma redução, de 18 por cento, atingindo os 57,6 milhões de euros.

O EBITDA do grupo recuou, no período em análise, 26 por cento, para os 16,6 milhões de euros, com uma margem de 18,2 por cento. Esta diminuição deve-se a “uma forte redução dos custos operacionais”.

O resultado operacional (EBIT) registou, também, uma queda – menos 34 por cento -, atingindo os 10,9 milhões de euros no primeiro semestre deste ano. O resultado líquido alcançou os 4,1 milhões de euros (no mesmo período do ano passado era de 9,8 milhões de euros), penalizado por maiores encargos financeiros (juros suportados).

Na publicidade, os proveitos recuaram 18 por cento, situação justificada pela Media Capital “devido ao peso do segmento de televisão, no qual a publicidade variou -21 por cento”.

Também os outros proveitos recuaram, estes em 30 por cento, relativamente ao mesmo período de 2011, com o impacto a advir, sobretudo, dos segmentos de produção audiovisual e entretenimento. Nos custos operacionais verificou-se um decréscimo de 22 por cento.

“Nos primeiros seis meses do ano, os resultados financeiros passaram de – 2,1 milhões de euros para – 4,6 milhões. Dois fatores exógenos ao desempenho do Grupo concorreram para esta situação. Por um lado, o aumento do custo de financiamento, em virtude da expansão de spreads que é transversal nos mercados financeiros e, por outro, o impacto do coller sobre taxas de juro que o Grupo tem contratado, uma vez que o indexante (Euribor) encontra-se substancialmente abaixo do floor estabelecido”, lê-se no relatório.  O resultado líquido da Media Capital atingiu os 4,1 milhões de euros, comparados com os 9,8 milhões do período homólogo do ano passado.

Todavia, o canal generalista do grupo, a TVI, continuou a liderar as audiências de televisão, com uma “larga margem na totalidade do dia e nos períodos horários mais importantes”, lê-se no relatório da empresa. O mesmo acontece quanto aos principais géneros: ficção, informação e entretenimento. De acordo com grupo, a TVI “é o único canal generalista que melhora a sua posição relativamente ao semestre homólogo de 2011, com mais de 1,3 por cento de quota de audiência”. O sector televisivo obteve, no período em análise, uma margem EBITDA de 18,3 por cento, o que corresponde a um valor absoluto de 12,7 milhões de euros.

Na produção audiovisual, a Media Capital registou, igualmente, uma redução de 31 por cento dos proveitos operacionais, recuando o EBITDA em 12 por cento – 3,1 milhões de euros, o que corresponde a uma margem de 10,6 por cento. “Não fosse a alteração de perímetro de consolidação na atividade em Espanha, o EBITDA do segmento teria aumentado face ao período homólogo. No período em análise, a atividade de prestação de serviços e aluguer de meios técnicos ganhou dimensão internacional”, justifica a empresa.

No sector da rádio, o principal destaque vai para a evolução das audiências, com a Rádio Comercial a atingir, pela primeira vez, a liderança, com uma audiência acumulada de véspera (AAV) de 14,1 por cento, quase 1,2 milhões de ouvintes, o equivalente a um crescimento de 32 por cento face ao período homólogo do ano passado.

Fonte: Media Capital

Terça-feira, 24 Julho 2012 09:37


PUB

PUB

2050.Briefing

À Escolha do Consumidor