M80: “Não acreditamos em fórmulas mágicas”

M80: “Não acreditamos em fórmulas mágicas”

“O nosso desafio inicial está superado: a m80 é já o maior dos projetos de cobertura não nacional”. É assim que o diretor da estação, Miguel Cruz, comenta o quinto lugar em audiências no dia de estreia da grelha renovada.

 

Nuno Markl é uma das novidades: aconteceu “naturalmente”, não porque na m80 se acredite que um humorista seja uma “fórmula mágica” para as manhãs da rádio.

Em entrevista ao Briefing, Miguel Cruz fala dos porquês desta renovação ao fim de seis anos de m80:

Briefing | O que presidiu a esta renovação?

Miguel Cruz | As mudanças são naturais, acontecem em todas as áreas e na rádio também. A m80 não é exceção. Mas fala-me de renovação e não de alteração e ainda bem porque há, de facto, a registar algumas mudanças mas o que consideramos a espinha dorsal da estação mantem-se inalterado: a sua música. Vão continuar a ser ouvidos na m80 “todos os êxitos dos anos 70, 80 e 90”.

Briefing | Uma das novidades é o Nuno Markl. Porquê um humorista? É uma tendência incontornável de ter um humorista nos programas da manhã das rádios?

MC | Não fomos à procura de um humorista propriamente porque não há fórmulas mágicas nem verdades absolutas que resultem indiscutivelmente. Há sempre a considerar o lifestyle de quem nos ouve e o próprio estilo da estação, para além de uma série de outros fatores. Quando considerámos que as Manhãs m80 podiam ganhar com a inserção de novos conteúdos, rubricas e intervenientes, o nome do Nuno Markl aconteceu naturalmente. A sua ligação aos anos 80 com a rubrica que fez furor na Rádio Comercial foi a ponte. A Caderneta de Cromos foi um enorme sucesso na Rádio Comercial e se o público da m80 está certamente vocacionado para as músicas dos anos 80, porque viveu a sua juventude nesse tempo, também o está para os assuntos que o Nuno Markl aborda com muito humor e mestria nos Cromos, tornando-os nuns verdadeiros ícones de uma geração.

Briefing | De que modo é que estas mudanças “melhoram o produto M80”?

MC | Acreditamos ir ao encontro das expectativas do target m80 ao apresentarmos uma nova equipa nas Manhãs, uma equipa criativa, moderna e ativa. Também a novidade de ter dois pivots no outro horário nobre da Rádio, o Regresso a Casa, vai permitir criar novos ambientes, neste caso mais positivos, dinâmicos e simpáticos. As Noites também têm a ambição de se tornarem um must para quem gosta de passar o serão de forma mais tranquila…

Briefing | Qual é o objetivo? Mais ouvintes?

MC | Mais ouvintes é dos tais objetivos aos quais não nos podemos furtar! Mas a preocupação que preside a estas mudanças é essencialmente a de reinventar e atualizar o produto m80 e assim satisfazer cada vez mais os mais milhares ouvintes que já conquistámos nestes 6 anos de existência.

Briefing | Que leitura faz do 5º lugar em audiências?

MC | Sabíamos que o projeto tinha muito potencial, mas pessoalmente não esperava um crescimento e um reconhecimento de marca tão rápido e tão sustentado.  
O nosso desafio inicial está superado: a M80 é já o maior dos projetos de cobertura não nacional. 

Briefing | A M80 faz seis anos. Que balanço faz?

MC | Faço um balanço muito positivo, pois os resultados da m80 superaram claramente as expectativas mais otimistas. Sinceramente não esperava que esta marca, em apenas seis anos, obtivesse estes resultados verdadeiramente extraordinários.

Briefing | Está prevista alguma iniciativa para assinalar a data (além da renovação)?

MC | Neste momento a preocupação maior é colocar On Air todas as novas rubricas e programas! Mas naturalmente que ao longo do ano não vão faltar iniciativas junto do público que vão permitir assinalar ao vivo as mudanças e novidades, pois estamos sempre muito envolvidos em eventos que fora da rádio nos fazem estar sempre em festa. É o caso das próprias festas m80, dos inúmeros concertos que apoiamos e dos variados eventos desportivos como os torneios de Golfe, de Vela ou de Rugby.

Fonte: Briefing

Segunda-feira, 07 Janeiro 2013 11:13


PUB

PUB

2050.Briefing

À Escolha do Consumidor