De quem é, afinal, a Internet?

As cidades de Nova Iorque, Los Angeles e São Francisco foram surpreendidas na última semana por cartazes enigmáticos em que se liam frases como “A Internet deve ser regulada” e “Os teus dados deviam pertencer à NSA”. O enigma entretanto desfez-se… era uma campanha da BitTorrent.

Os cartazes foram “corrigidos” para explicar que a Internet deve pertencer às pessoas e que os dados são de cada um.

Tudo isto para provar que o Torrent é um serviço útil para divulgação de informações e não sinónimo de pirataria.

“Muitos esquecem que é uma tecnologia que mexe com 40% do tráfego da Internet, mais do que o http” explica Matt Mason, vice-presidente de marketing da empresa.

As várias fases da campanha publicitária, patente apenas em outdoor, visaram criar uma aproximação com o público. “No próximo ano, a campanha estará em todos os media possíveis”, promete Matt Mason.

Recentemente a BitTorrent apresentou uma nova maneira de descarregar conteúdos e uma forma de o público poder pagar pelos torrents.

briefing@briefing.pt

Quinta-feira, 10 Outubro 2013 10:21


PUB

PUB

2050.Briefing

À Escolha do Consumidor