No outdoor, a contestação continua em tribunal

O concurso para a concessão da publicidade exterior em Lisboa conhece novo episódio com a decisão da dreamMedia de avançar com uma providência cautelar, procedimento que suspende a adjudicação à JC Decaux pelo período de 15 anos, impedindo a autarquia de assinar o contrato.

 

Justificando a decisão, o CEO da dreamMedia, Ricardo Bastos, sustenta que em causa estão “fortes ilegalidades” da proposta da empresa francesa (contestadas por todos os concorrentes do concurso), nomeadamente a falta da assinatura eletrónica qualificada em cada um dos documentos da proposta, que obrigam, segundo a lei, à exclusão da JC Decaux.

“A adjudicação do lote 3, que compreende os lotes 1 e 2 do concurso, à JC Decaux demonstra um claro abuso de poder da autarquia, na medida em que não foi apenas a dreamMedia a contestar esta decisão: todos os restantes concorrentes a contestaram, o CDS e o PSD ambos contestaram, e mesmo assim o município adjudicou”, sublinha Ricardo Bastos.

Acrescenta que o grupo dreamMedia aguarda que se reponha a legalidade, e, se assim acontecer, será o vencedor do lote número 2, que permite explorar os outdoors digitais na cidade durante os próximos 15 anos, já que se encontra classificado em primeiro lugar.

briefing@briefing.pt

 

Segunda-feira, 25 Junho 2018 09:08


PUB

PUB

2050.Briefing

À Escolha do Consumidor