Aliança Ibérica pela Ferrovia propõe um Mundial 2030 mais sustentável

A Aliança Ibérica pela Ferrovia divulgou os resultados de um estudo sobre os tempos de viagem de comboio entre as diferentes cidades que vão receber o Mundial de Futebol na Península Ibérica e em Marrocos em 2030. O grupo, do qual a ZERO faz parte, propõe que haja uma coordenação entre os governos para assegurarem ligações ferroviárias diretas.

Aliança Ibérica pela Ferrovia propõe um Mundial 2030 mais sustentável

De acordo com a ZERO, as federações responsáveis pela organização do Mundial 2030 e os estados dos países que o acolhem têm de adotar, “desde já, todas as medidas necessárias para que o campeonato possa efetivamente ser neutro em carbono”. Para a associação ambientalista, a previsão é negativa visto que os planos são que, nesse ano, das 12 cidades mais importantes da Península Ibérica, apenas em quatro delas a distância ficará a mais de 6h30.

Outra das propostas é que os bilhetes a vender aos futuros espectadores se possam dividir entre “Bilhetes Verdes” e “Bilhetes Castanhos”. Os primeiros deverão ser mais económicos e funcionar como passe ferroviário válido em qualquer serviço ferroviário, bem como nos serviços regulares e flexíveis de transportes públicos urbanos, incluindo serviços partilhados de táxi, TVDE e bicicleta. Já os segundos serão mais caros e não incluirão viagens de comboio, nem os sistemas de transporte público das cidades.

Além disso, tendo como base o exemplo francês de eliminar  voos entre cidades que tenham alternativas ferroviárias com tempos de viagem inferiores a 2h30, a organização propõe que os estados espanhol e português adotem medidas semelhantes para pares de cidades com ligações ferroviárias inferiores a três horas.

Quinta-feira, 11 Abril 2024 11:57


PUB