Despesa nacional em proteção do ambiente regista um aumento

Em 2020, a despesa nacional em proteção do ambiente (DNPA) apresenta um aumento de 2,2%, num ano em que o Produto Interno Bruto (PIB) teve uma diminuição. A gestão dos resíduos e das águas residuais representam as maiores contribuições para o valor total.

De acordo com o relatório “Contas de Despesas em Proteção do Ambiente”, publicado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a DNPA foi de mais de 3 mil milhões de euros. Este resultado foi registado em contraciclo com o comportamento da atividade económica, em que o PIB diminuiu 6,5%, devido à pandemia de COVID-19.

Segundo o estudo, o valor apresentado deveu-se a variações positivas na despesa de consumo final, que aumentou 11,7%, e no investimento, que cresceu, 10,2%. Outra das razões foi a variação negativa no consumo intermédio, que sofreu uma queda de 6,3%.

As sociedades foram responsáveis por mais de metade da despesa (53,3%), com as administrações públicas e instituições sem fins lucrativos a representarem 25,8% e as famílias os restantes 32,4%.

Os domínios do ambiente que mais contribuíram para os resultados foram a gestão do ambiente (40,3%), seguida da gestão das águas residuais (32,4%) e das atividades de investigação e desenvolvimento (10,3%).

Além destes resultados, o INE revela que o emprego para a produção dos serviços de proteção do ambiente teve um aumento de 8,3%, representando 1% do emprego nacional.

Quarta-feira, 26 Abril 2023 08:51


PUB