Ciclopes: O projeto que quebra desigualdades sociais através da bicicleta

A decorrer atualmente em toda a Lisboa, com foco nos Bairros de Intervenção Prioritária (BIPZIP) e sede no Bairro Padre Cruz, o projeto Ciclopes – Achata Colinas promove a utilização da bicicleta como um veículo moderno e atual para atravessar a cidade e, sobretudo, como uma forma de quebrar barreiras e reduzir desigualdades sociais.
“Queremos criar uma comunidade trendy que traz consigo uma nova imagem da bicicleta e no seu poder transformador para achatar preconceitos, desigualdades e colinas, elevando liberdade, estilo e skills”, refere Catarina Miguel Martins, dinamizadora da cooperativa drive impact, dinamizadora do projeto Ciclopes. “Com esse objetivo em mente, promovemos atividades que procurem, por um lado, levantar o estigma da bicicleta, sensibilizando para o uso deste meio de transporte, e por outro lado, aumentar o acesso a bicicletas, diminuindo barreiras económicas, operacionais e técnicas. Trabalhando com jovens e crianças, fomentamos também outros tipos de aprendizagem, como resiliência, espírito crítico, gestão de frustração e das emoções”, acrescenta.
Em dois anos de atividade, o Ciclopes – Achata Colinas impactou mais de 2200 pessoas através de 228 atividades, muitas das quais desenvolvidas na cicloficina do Bairro Padre Cruz, um espaço criado para a comunidade, onde todos podem levantar bicicletas e aprender a repará-las. Organiza atividades, como aulas de iniciação à bicicleta e passeios de bicicleta, desenvolve intervenções contínuas ou esporádicas em contexto escolar, disponibiliza tutoriais de manutenção e boa utilização de bicicleta.
Ciclopes Achata Colinas | O ManifestoO projeto lançou recentemente um manifesto em formato de vídeo inspirador com produção da el hey films e  banda sonora produzida pelos Bateu Matou. Catarina partilha que este manifesto é essencial para se entender a essência dos Ciclopes: “um projeto que ajuda populações a subir montanhas, ganhar balanço e ultrapassar preconceitos. Um projeto que acredita na bicicleta como um gerador de liberdade. Liberdade de movimentos, em primeiro lugar, porque com uma bicicleta podemos chegar onde quisermos. Liberdade de expressão, porque a bicicleta pode ser um prolongamento da nossa personalidade. E, mais importante, a bicicleta pode servir de veículo de fuga para uma vida melhor”.
A identidade visual do *Ciclopes – Achata Colinas, *desenvolvida pela Graficalismo studio, foi já galardoada com dois prémios de ouro e três pratas no Festival Clube da Criatividade de Portugal. A fotografia de Cristiana Morais também ganhou um prémio internacional. “Potenciamos estas distinções através de exposições com as fotografias dos jovens, para que eles se vejam e se sintam orgulhosos”, afirma Catarina Miguel Martins.
O Ciclopes pretende assegurar a continuidade do seu trabalho em Lisboa e está disponível para se replicar noutras zonas do país, pelo que procura apoios de entidades públicas e privadas.
Bateu Matou x Ciclopes Achata Colinas (gravação da banda sonora Manifesto)Manifesto Ciclopes | Créditos:
Direção criativa: Graficalismo studio
Produção: El hey films
Produtor Executivo: Miguel Coimbra
Produtora: Inês Rocha Santos
Realização/poema: Marco Espírito Santo
Direção Fotografia: William Sossai 1ª AC: Juliane Rupar 2ª AC: Ana Specht
Som: Ricardo Barrileiro
Banda sonora: Bateu Matou
MC: @flowgun_
Sonorização: Miguel Guia – Mezzanine
Filmado em película
Film lab: Cinelab Bucharest

Fotografias | Créditos: Cristiana Morais

Segunda-feira, 29 Janeiro 2024 16:39


PUB