No “mês do amor” Quanta Terra abre as portas aos apreciadores do rosé de Alijó

A arrancar o ano da celebração do quarto de século, a marca Quanta Terra quer reforçar a aproximação do consumidor ao planalto de Alijó e às pessoas que nele vivem, com um programa de iniciativas com um “cunho muito próprio” que vai desenrolar-se ao longo de 2024. Com fevereiro à porta e a habitual celebração do dia dedicado ao amor, os enólogos, Celso Pereira e Jorge Alves, escolhem um dos vinhos “especiais” que repousa no recuperado edifício da antiga destilaria da Casa do Douro, em Favaios, para abrir as portas do espaço e convidar os apreciadores a virem ao Douro. Na compra de uma garrafa de Phenomena 2022, edição especial Dia dos Namorados, limitada a 2500 unidades, o apreciador recebe um voucher para conhecer e visitar o espaço Quanta Terra e fazer uma prova de vinhos, para duas pessoas. A oferta pressupõe a reserva antecipada e sujeita à disponibilidade, podendo ser usufruído até final de 2024. O Phenomena está à venda nas principais garrafeiras e locais habituais.

“Há datas que são incontornáveis no contacto das marcas com o consumidor, mas queríamos que neste início de ano que marca os nossos 25, houvesse curiosidade por saber mais sobre a Quanta Terra, sobre o planalto de Alijó e sobre as pessoas. Porque a relação do vinho com a região de onde provém é a mais bonita história de amor que poderíamos contar”, diz Celso Pereira, acrescentando que “a escolha recaiu no Phenomena, não só por ser o nosso rosé icónico, oriundo de uma casta de tintos, Pinot Noir, mas por representar de forma perfeita a nossa busca por vinhos desafiantes que na medida certa resultam na perfeição”.

Lançado no mercado pela primeira vez em 2018, o Phenomena rapidamente mostrou aos seus criadores que as plantações de vinha dominadas sobretudo por castas brancas, mas com a resistência de algumas tintas, como a Pinot Noir, situadas nas zonas limítrofes da região demarcada, proporcionavam um novo perfil de vinhos, “disruptivo”, que saía do classicismo e resultava numa personalidade mais moderna, tanto na textura como nos aromas e cores”, refere Jorge Alves. Nascia, assim, um rosé de uma casta de tintos, Pinot Noir.

Terça-feira, 30 Janeiro 2024 10:14


PUB