Criatividade

#ALENTEDE... Leonel Vieira

Foi em 2004 que Leonel Vieira fundou a Stopline, produtora que, além de Portugal, trabalha sobretudo em Espanha e no Brasil. Em 14 anos, produziu mais de 30 longas-metragens e séries de televisão e cerca de 200 filmes publicitários. É entre o cinema e a publicidade que se escreve o guião da carreira do realizador que admira Martim Scorsese, tem na memória a primeira campanha que filmou, para a Vodafone, e a Delta Q como a marca com a qual mais gostou de trabalhar.

sexta, 02 novembro 2018 12:24
#ALENTEDE... Leonel Vieira

 

Nunca fez outra coisa que não fosse realização. Profissionalmente, falando. Porque, enquanto estudante, teve oportunidade de experimentar outras disciplinas, como as artes plásticas e o design. Mas o curso, esse, foi de cinema e foi no cinema que Leonel Vieira começou. Com umas curtas-metragens, em Madrid, ainda no âmbito académico, preâmbulo do filme que seria o seu primeiro e que começaria a escrever em 1996: “A Sombra dos Abutres”, estreado dois anos mais tarde.


Volvida uma década sobre esse primeiro filme, Leonel Vieira ingressa noutro mundo, o da realização em publicidade. Que, num exercício de comparação com o cinema, classifica como um sprint de 100 metros, por oposição a uma corrida de fundo. “Conceptualmente, a grande diferença é que o cinema nos dá mais liberdade. O realizador tem muito mais autonomia, tem uma relação estreita com o produtor, mas tem mais autonomia na conceção da história, da narrativa, a partir do momento em que ambos chegam a um entendimento.  Na publicidade, o realizador é o executante e tem apenas controlo sobre o aspeto formal. Controlo esse que é partilhado com a agência (responsável pela criatividade) e com o cliente. Há uma responsabilidade tripartida, mas há menos liberdade”. Ainda assim, encontra na publicidade a mais-valia de funcionar como “uma espécie de grande laboratório” onde, todos os dias, se exercita a caligrafia. Porquê? Porque um filme é algo que demora muito tempo a concretizar e, por isso, não deixa espaço para esse exercitar: “A publicidade funciona como o exercício da realização, pelo facto de nos permitir filmar constantemente. E, depois, tem uma exigência técnica e profissional enorme, o que ajuda muito um realizador de cinema a crescer. Quem filma muita publicidade afina bastante a relação entre o pensamento e o exercício de realizar”, reflete.

Mas esta é uma permeabilidade que funciona nos dois sentidos: “A realização acrescenta uma narrativa plástica à publicidade. O desafio do realizador é conseguir, com a materialização de imagens, construir uma narrativa. Esta deverá ser, efetivamente, a grande capacidade do realizador. Conseguir acrescentar uma conceção formal e ‘gramaticalmente’ correta à narrativa. O equilíbrio entre a gramática e a razão plástica é, sem dúvida, a mais valia”.

 
O estado da indústria

A indústria, fiz o fundador da Stopline, está em profunda mutação, tanto do lado do cliente como do lado das agências e produtoras: “Flexibilidade é agora a palavra de ordem”. E explica: Além disso, “a urgência de colocar conteúdos relevantes no ar gerou uma indústria muito mais dinâmica. Porém, menos ambiciosa, porque muitas vezes o craft fica pelo caminho”. “E para nós será sempre prioridade, independentemente da dimensão dos projetos que trabalhamos”, remata.

 

Um filme é eficaz quando…

 

“Quando consegue cumprir o objetivo das pessoas que o criaram. No cinema, os filmes são eficazes mediante os objetivos de quem se propõe a fazê-los. Já na publicidade, a sua eficácia reflete-se quando atinge o seu target e a mensagem se propaga, alcançando o propósito do cliente”.

Se não fosse realizador seria…

Talvez diretor de fotografia.

De onde vem a inspiração

Da vida, do dia a dia, dos momentos de introspeção.

O local favorito para filmar

As planícies, o Alentejo, o planalto mirandês e ambientes suburbanos.

 

A hora favorita para filmar

Há qualquer coisa que me fascina antes da hora mágica, naquele instante próximo ao pôr do sol.

 

Qual a qualidade que um realizador deve ter?

Vocação. Tem que gostar, e gostar muito, mas sem vocação não se atingem objetivos.

 

Realizador que admira

Martin Scorsese.

 

A marca que mais gostou de trabalhar

Delta Q.

 

A marca para a qual ambiciona filmar

Ambiciono filmar com a marca que me permita ser mais criativo e que essa criatividade lhe acrescente, verdadeiramente, valor.

 

Primeiro filme publicitário que ficou na memória

“Vodafone - Está tudo rouco”. Foi o primeiro que filmei.

 

 Campanha internacional que gostava de ter realizado

Volvo XC60. É um daqueles scripts que toca qualquer um. O exercício de storytelling é brilhante, para falar de segurança e futuro. A direção de fotografia é como eu gosto, identifico-me com a edição, com tudo. 

 

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

 

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing