Criatividade

#OLADOB de Luís Serra tem paciência de japonês

Paciência e controlo. É isto que o cultivo de bonsais transmite a Luís Serra, que, como Chief Strategy Officer da comOn, vê no espírito estratega e na ambição pela perfeição os pontos comuns destes dois mundos. O mais extasiante neste hobby? É ver nele “uma lição de humanidade”, já que se assume como “só mais um personagem na viagem de uma árvore”, que pode vir a durar muitos mais anos que “a viagem” do próprio.

sexta, 07 junho 2019 12:46
#OLADOB de Luís Serra tem paciência de japonês

 Luís começou a cultivar bonsais há “mais ou menos” seis anos, “depois de fazer uma viagem ao Japão”. Foi durante o outono, “uma época em que as árvores se destacam muito pela tonalidade e por estarem com os galhos expostos”. Conta que aprendeu muito nesta viagem e uma destas aprendizagens foi que “um bonsai não é apenas uma árvore, mas também uma forma de expressão, um elemento que pode ser moldado pelo homem”. O entusiasmo pelo tema foi tal que, assim que chegou a Lisboa, começou “a ler tudo o que havia sobre bonsais”, o que resultou no início de uma coleção que conta já com 12 exemplares.

Esta atividade, que qualifica de “complexa”, representa o despertar do interesse “por um lado da natureza que não o animal”. Hoje, junta todo o saber que angariou dos bonsais, “em relação à semente e à terra”, noutras plantas e especiarias que cultiva.

Mas, afinal, o que lhe transmite este hobby? “A primeira delas é paciência”, porque, quando é feita uma intervenção no bonsai “só muito lá para a frente” é que consegue observar o resultado das ações. “Não há uma gratificação instantânea”. A segunda “é o controlo”, porque, diz, apesar da espera, quem cultiva o bonsai controla tudo o que se passa com a planta. “É uma árvore dentro de um vaso e somos nós a força natureza, doseamos a exposição solar, o vento, os nutrientes da água”, explica. “Podemos atuar sobre a realidade, mas devemos saber esperar o tempo que ela exige”, esclarece. O stress da profissão – declara – “não pode estar ali” e isso ajuda-o “a balançar a vida pessoal com a profissional”. Acrescenta ainda que a dinâmica entre este hobby e a profissão que exerce é a mesma: “Como estratega, eu tenho que ver muito mais à frente e executar em curto prazo”. Também o perfeccionismo é um aspeto comum entre as atividades, porque “só funciona se for bem feito, se for bem executado”. “Posso ter excelentes ideias, mas, se não tiver a técnica e a capacidade de executar, não vai ficar bem feito”, assegura.

Não há dia em que não olhe para os bonsais “pelo menos cinco minutos”. “Chego a casa, o meu gato cumprimenta-me e eu cumprimento os bonsais”, desvenda. Mas não os humaniza. “São árvores, são espécies e são especiais justamente por isso”, daí que não lhes dê nomes, “chama-os” pela espécie. “Há algumas alturas em que os bonsais precisam de mais cuidados: na primavera, porque a natureza está com toda a sua energia, ou seja, para manter a árvore no seu formato ideal é preciso podar, cortar e aramar; e depois no outono, que é quando a natureza suga mais a energia do bonsai, é necessário um olhar atento para perceber se tudo está bem”, explica.

Tem “por volta” de 12 bonsais e aponta quatro como preferidos: o Prunus Mume, o “preferido no inverno pois é o primeiro bonsai a florir”; o Ulmeiro, que prefere na primavera/verão, “pela força com que cresce, todos os dias está diferente”; a Ramanzeira (Punica Granatum), a espécie predileta no outono, “pelas folhas de cor amarela vibrante”; e, finalmente, o (ou um) Junipero, que “é especial, não pela beleza”, mas porque tem a mesma idade que ele próprio. “Há alguns mais complexos de ter e outros mais simples. Uns são mais comunicativos, desenvolvem-se mais rapidamente e exigem mais cuidados manuais, o que eu gosto, por outro lado, há outros que precisam de mais tempo para se desenvolver”, explica. Admite que tudo isto o faz sentir-se “muito mais consciente e conectado com a natureza”. “Hoje, olho uma planta e consigo perceber o que se está a passar ao redor dela. É uma forma de ver o mundo”, comenta.

Nunca fez uma exposição, mas admite “o hábito de fotografar muito”, partilhando esta “parte” de si na página pessoal de Instagram. Já pensou dedicar-se apenas aos bonsais, mas admite o receio de transformar este hobby em algo profissional, porque “acabaria um pouco com a magia da escapatória”. “Não faço ideia se este vai ser, de facto, o meu futuro. Vai estar comigo para sempre, isso quase de certeza, agora como maneira de ganhar dinheiro, isso talvez não”, constata. “Tenho bonsais com 70, 80 anos e acho isso tão extasiante…colocar-me apenas como só mais um personagem na viagem de uma árvore que vai continuar depois de mim. Uma lição de humildade”, conclui.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

sexta, 07 junho 2019 13:20

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing