Criatividade

A ideia voltou a ser o diferencial. É nisso que acredita Marcelo

“A grande diferença entre o que fazíamos há um mês e o que fazemos hoje, durante a quarentena, é que agora podemos trabalhar de pijama”. É meio a brincar, meio a sério que o cofundador da Coming Soon Marcelo Lourenço responde à pergunta sobre o impacto da pandemia. A agência – diz – já nasceu com uma estrutura leve, e sem gorduras, que lhe permite adaptar-se à nova realidade.

quarta-feira, 13 maio 2020 12:13
A ideia voltou a ser o diferencial. É nisso que acredita Marcelo

 

A Coming Soon – destaca – foi criada para não ter hierarquias, numa ponte direta entre as pessoas que criam e as pessoas que aprovam. “Todo o barulho no meio do caminho não faz parte das nossas vidas desde 2018. Ou seja, fazemos através do Zoom o que já fazíamos desde que a agência começou – falamos diretamente com os clientes. Nesse sentido, ninguém está tão preparado para esta nova maneira de trabalhar do que uma agência sem gorduras como a nossa. Mesmo porque, uma empresa chamada Coming Soon tem obrigação de estar preparada para as mudanças do mercado – mesmo mudanças tão extremas como as que estamos a viver agora”, enquadra.

E enfatiza que uma agência como a que criou com Pedro Bexiga, com uma estrutura tão leve (“apesar de os sócios serem bem pesados”), já nasceu com a liberdade necessária para se adaptar a esta nova realidade. Uma mudança que – acredita – está só no começo: “O novo mundo digital, onde tudo é cada mais rápido, tem sido muito generoso com as agências menores, mais rápidas e flexíveis. O impacto da Covid-19 vai acelerar ainda mais esta tendência”.

O criativo entende que ainda é muito cedo para prever o que vai mudar e o que vai voltar a ser exatamente como antes na profissão. “Para já, acho que a quarentena colocou todo o mercado em pé de igualdade – não importa muito o tamanho do budget do seu cliente quando todos nós só podemos trabalhar com imagens de arquivo. Assim, no último mês, o grande diferencial da comunicação voltou a ser a ideia. Que é uma maneira muito mais eficiente e democrática de definir o que é, ou não, uma boa agência”, realça.

O desafio é como tornar a comunicação relevante nesta altura, com Marcelo Lourenço a responder que “é simples e até meio óbvio, mas é verdade”: perceber o consumidor, saber onde ele está, e o que o preocupa, é algo essencial nestes tempos de crise. “Para falar a verdade, é essencial sempre, mas agora não podemos realmente nos dar ao luxo de falarmos simplesmente por falar, sem nos preocuparmos com quem está a ouvir”, comenta, argumentando que “a má publicidade não chega a afastar os consumidores porque, na verdade, ela é completamente invisível. A publicidade média, regular, sem graça também é. E isso é deitar dinheiro pela janela”.

E quando a pergunta é se as mudanças vieram para ficar, a resposta traz uma história: “Quando perguntaram ao icónico treinador do Liverpool Jurgen Klopp quais seriam as consequências da Covid-19, ele respondeu com toda a prontidão – a minha opinião não importa, pergunte aos cientistas que são quem percebem do assunto. Faço minhas as palavras do grande Klopp – não faço a mais remota ideia. E quem disser o contrário está a fazer publicidade enganosa”.

 

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

quarta-feira, 13 maio 2020 17:51

bt nl

À Escolha do Consumidor

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing