Entrevistas

A estratégia da Boomer para "combater" o regionalismo

A estratégia da Boomer para "combater" o regionalismoOferecer "soluções chave-na-mão" e uma equipa "jovem mas experiente", que mantém uma relação de proximidade com os clientes, são as grandes mais-valias da Boomer. Quem o diz é Marisa Coutinho, diretora e fundadora da agência de branding e marketing digital que defende que estar sediada na Maia não é "uma limitação ao crescimento ou acesso ao mercado". Prova disso, são os 95% de clientes que detém a nível nacional.

segunda, 28 março 2016 13:13
A estratégia da Boomer para "combater" o regionalismo

Briefing | Após 4 anos no mercado, a Boomer adota agora uma nova imagem e assinatura. O que motivou esta aposta?

Marisa Coutinho | A agência surgiu em 2012 num contexto de crise económica, em que as empresas "desinvestiram" em serviços de marketing e comunicação. Para nós, esta realidade não foi, de todo, um obstáculo mas sim uma oportunidade. Era o momento de apresentar ao mercado uma agência com um conceito diferenciador que, mais do que oferecer serviços de comunicação, oferece "soluções chave-na-mão", criativas, diferentes e, acima de tudo, com valores muito competitivos. Para além disso, apresentámo-nos com uma imagem arrojada e "fun", em que cada elemento da equipa era representado por um super-herói, um super-herói das marcas.

Após 4 anos, e em virtude do nosso crescimento e do aumento da equipa, consideramos que era o momento de mudarmos a forma como nos apresentávamos ao mercado... É desta forma que (não negando as nossas "raízes" de super-heróis!) surge a nova imagem e a nova assinatura.

Briefing | Trata-se de um novo posicionamento ou de uma estratégia para afirmar a agência no mercado?

MC | Mais do que uma estratégia é o reafirmar do nosso posicionamento! Desde a criação da agência que, em todos os serviços prestados e projetos realizados, a componente estratégica esteve sempre presente, isto é, mais do que executar um briefing e materializar conceitos e ideias graficamente ou digitalmente, toda a equipa BOOMER analisa, criteriosamente e estrategicamente, a forma de o fazer, estudando o cliente, o mercado, etc.

Briefing | Mas o que diz a nova identidade gráfica do estado da agência?

MC | As características que associam ao nosso trabalho são sobretudo a criatividade e a capacidade de criar coisas novas, diferentes, com timmings muito apertados, o que por vezes é o maior desafio! E não somos nós que o afirmamos, são os nossos clientes!

Assim surge uma versão simplificada e mais estilizada do nosso logótipo, associado a um elemento forte - o raio - que, para nós, é o símbolo que melhor representa esta "energia", esta capacidade criativa... É assim que nós somos

Briefing | Há alguma mudança de estratégia a acompanhar a nova imagem?

MC | Não podemos falar de uma mudança de estratégia mas sim de uma reafirmação do nosso posicionamento. Após um balanço dos serviços prestados desde o início da agência e de uma análise detalhada da nossa metodologia, percebemos que, efetivamente, o que nos diferencia é a componente estratégica que está implícita em cada projeto, seja de branding ou digital, por isso não fazia sentido não a comunicar ao mercado!"

Briefing | O que a Boomer oferece de diferenciador às marcas?

MC | Enquanto agência de marketing e digital acreditamos que podemos ajudar as empresas a pensar nestas duas áreas vitais do negócio de forma estratégica e com resultados! Oferecer "soluções chave-na-mão" e uma equipa jovem mas experiente, que mantém uma relação de proximidade com os nossos clientes, são, de facto, as grandes mais-valias da nossa agência.

Briefing | E quais os desafios que se colocam a uma agência da Maia?

MC | Estarmos sediados na Maia não é, de todo, uma limitação ou barreira ao crescimento ou acesso ao mercado. É certo que a maioria das agências de referência da nossa área estão sediadas em Lisboa e no Porto. Contudo, isto pode ser também um fator a nosso favor pois, não estando longe do Porto e tendo a Maia excelentes acessibilidades, conseguimos reduzir os custos fixos e aumentar a nossa capacidade competitiva. A qualidade do trabalho está nas pessoas que o exercem e não no local onde o fazem!

Briefing | Qual a estratégia para "combater" o regionalismo? Conseguem competir com agências de Lisboa ou do Porto?

MC | Acreditamos que, hoje em dia, todas as agências são globais pois a sua atuação e o seu trabalho não se limita a uma zona geográfica... Neste momento, 95 % da nossa carteira de clientes é nacional, mas temos alguns clientes na europa, sobretudo em França, para os quais prestamos serviços de branding e marketing digital.

Estrategicamente, optamos por concentrar os nossos esforços comerciais e de prospeção na zona norte, pois acreditamos que tem um enorme potencial. Por outro lado, o fator proximidade é, sem dúvida, uma mais-valia na nossa área, pois só assim conseguimos prestar um serviço de excelência aos nossos clientes. No entanto, a transversalidade do nosso trabalho permite-nos dar resposta aos nossos clientes, independentemente da distância que nos separa. Para além disso, temos sentido uma tendência de aposta nas agências locais, ou seja, a proximidade, em conjunto com a criatividade, são critérios cada vez mais valorizados, sobretudo pelas grandes empresas, pois facilita imenso todo o processo.

Briefing | Quais os resultados obtidos em 2015?

MC | Os últimos anos têm sido bastante positivos para a Boomer. Em 2015, tivemos um crescimento a dois dígitos, contudo, sustentado, tanto em volume de negócio como em carteira de clientes.

Briefing | A Boomer prevê um aumento de 40% no volume de negócios. Como?

MC | Este ano os nossos objetivos passam pela especialização e pelo aumento da nossa capacidade de resposta ao mercado, com a contratação de profissionais experientes, nomeadamente, na área da comunicação digital. O digital é uma ferramenta cada vez mais importante para a Boomer e para os nossos clientes. Cerca de 60% do nosso trabalho diário concentra-se na comunicação das marcas online, seja nas redes sociais, seja nos websites, blogues, etc. Neste momento, o nosso investimento foca-se sobretudo nas ferramentas de SEO e na publicidade online, em adwords e facebook ads.

Briefing | Que projetos para 2016?

MC | Sentimos que, hoje, as empresas estão muito mais recetivas e mais sensibilizadas para a importância vital de apostar na comunicação digital. De facto, não basta estar online, é preciso saber estar! Os clientes estão mais informados, sabem quais os resultados que querem com a sua presença online e procuram ferramentas que lhes permitam analisar esta presença. É por isso que, este ano, estamos a apostar em projetos de marketing digital, que vão desde o desenvolvimento de mobile app's até à gestão estratégica de marketing digital.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

terça, 29 março 2016 11:18

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing