Entrevistas

A Cofina já merecia ter mais canais. Palavra de Octávio Ribeiro

A Cofina já merecia ter mais canais. Palavra de Octávio Ribeiro Seis anos separam as duas entrevistas de Octávio Ribeiro à Briefing. Na primeira, defendia que a Cofina merecia ter um canal de televisão. O que se concretizou com o sucesso traduzido em audiências crescentes que já lhe valeram a liderança entre os canais do cabo. Nesta segunda, reclama a capacidade de entregar canais segmentados melhores do que os da concorrência. À CMTV falta estar em 100% do mercado: quando isso acontecer, o diretor não tem dúvidas de que a liderança seria clara.

terça-feira, 23 agosto 2016 12:41
A Cofina já merecia ter mais canais. Palavra de Octávio Ribeiro

Briefing | Na entrevista que deu à Briefing em setembro de 2010 defendia que a Cofina devia ter um canal de televisão. O projeto não só se concretizou como em abril a CMTV foi o canal de informação líder no cabo e em maio foi mesmo o mais visto de entre os canais pagos. A que se deve este desempenho?

Octávio Ribeiro | Deve-se ao trabalho de uma grande equipa e, quando falo de uma grande equipa, falo principalmente da nossa equipa direta do Correio da Manhã e da CMTV, mas também de todos os setores envolvidos, da direção de marketing à direção comercial, passando pela direção de IT, e da administração. É da união destes setores em torno de um objetivo – que é fazermos uma televisão competitiva – que advém a nossa liderança. Alerto para uma coisa: nós dissemos que, até ao final do verão, contávamos estar a disputar a liderança. E em abril liderámos, mas eu não tenho e ninguém tem por adquirido que passámos a ser líderes, até porque a concorrência é muito forte, é muito respeitável e está instalada no mercado há muito mais anos do que nós. Por isso, é com toda a humildade que vamos continuar a lutar pela liderança, mês após mês.

Briefing | Essa liderança acontece num contexto em que a CMTV não está presente em 100% do cabo. Tem ainda mais significado?

OR | Se estivéssemos nos 100%, penso que a liderança seria clara e raramente perderíamos um dia para a concorrência. Se isto fosse uma prova de ciclismo, a nossa roda seria 85% da roda dos outros. Os nossos concorrentes têm rodas maiores, mas, com a capacidade que temos de nos sacrificar e reinventar, conseguimos com essa roda mais pequena ir a par dos outros e até ultrapassá-los.

Briefing | Estar na NOS foi decisivo para este desempenho?

OR | Foi decisivo obviamente. Passámos de 38 ou 39% do mercado para cerca de 85. Ainda temos um caminho a percorrer na NOS. Começámos a 14 de janeiro e há uma fase de maruração que está longe de ser atingida. Mas temos noção do histórico da nossa performance na MEO, pelo que na NOS talvez seja mais rápido, pois o canal foi ganhando notoriedade, mesmo para quem não o vê, através do buzz que se gera em torno da nossa capacidade de acompanhar os factos. Presumo que na NOS a CMTV tem ainda uma margem de crescimento por mera descoberta, no mínimo até final deste ano.

Briefing | Continua a faltar a Vodafone...

OR | Enquanto diretor do projeto é ir para a Vodafone e para a Cabovisão e finalmente estar em pé de igualmente com os concorrentes. A estratégia nessa área passa pelos acionistas, mas, na minha perspetiva, há aqui um problema de concorrência para os operadores que não têm CMTV. Se eu, mero cidadão, estivesse a mudar de casa não queria um operador que não me fornecesse a CMTV... Quem não vê a CMTV está menos bem informado e as pessoas têm noção disso. Só digo o que vejo. Analiso todos os dias a nossa performance noticiosa e a dos nossos concorrentes e, sendo complementares, a nossa é a mais completa e a melhor.

Briefing | "Melhor primeiro" é, precisamente, a vossa assinatura. É cada vez mais válida?

OR | Sim, é uma máxima que se vai eternizar na CMTV. Temos de procurar ser sempre melhores e chegar primeiro. É uma máxima fortíssima. Tal como o "Você está aqui", que é menos orelhuda mas é importantíssima: nós queremos que todos os cidadãos portugueses se vejam representados e projetados no ecrã da CMTV.

Briefing | Essa procura da proximidade é distintiva?

OR | É. Proximidade, coragem e rigor são as grandes marcas deste canal. Temos o território português coberto com uma grande capacidade de intervenção rápida, em direto e com grande capacidade de deslocação de meios. Seja onde for que haja um acontecimento, tentaremos ser os primeiros a começar a dar e ao fim de algum tempo já não estará lá só uma equipa. Acorremos onde as coisas acontecerem e procuramos fazer isso em todos os lugares do mundo onde haja interesses portugueses.

Isso implica agilidade, um empenho completo de toda a gente, porque os acontecimentos não têm hora marca, não estão na agenda. Na CMTV procuramos que a agenda seja sempre o plano B.

Briefing | Voltando às audiências. O futebol é um trunfo importante das televisões. Como é na CMTV, tendo em conta que não tem direitos de transmissão de jogos?

OR | Sim, o futebol é uma arma em toda a Europa e em todo o mundo. É um fenómeno, um desporto de massas absolutamente exaltante. Uma metáfora da vida – as pessoas projetam as suas aspirações num clube, numa cor, numa seleção. A metáfora não é minha, é do filósofo francês Albert Camus. E por isso o futebol é um fenómeno a que nenhuma televisão de informação deve ser alheia. Não pode. Nós vamos tratando-o com as nossas armas, isto é, as do CM e as do Record.

Obviamente que quem tem direitos televisivos tem a vida facilitada, porque as pessoas habituam-se ao fluxo de um determinado canal. E a CMTV não tem. Não tem, por enquanto, mas a médio prazo há de chegar a nossa hora nesse campeonato. Mas no campeonato da informação desportiva não tenho nenhum problema em considerar que temos a melhor informação desportiva das televisões portuguesas. Se alguém quiser fazer o favor de analisar um mês noticioso nosso e dos nossos concorrentes, ou seja, as notícias no sentido de uma novidade relevante, nós ganhamos por goleada.

Esta entrevista pode ser lida na íntegra na edição impressa da Briefing. 

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

terça-feira, 06 setembro 2016 12:05

bt nl

2050.Briefing

O Outdoor Honesto

À Escolha do Consumidor

Edições Especiais

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing