Entrevistas

O Marcos quer pôr os lisboetas (e não só) a beber água da torneira

O Marcos quer pôr os lisboetas (e não só) a beber água da torneiraApostar na água da torneira de forma a que as pessoas a bebam com confiança é o grande objetivo do novo diretor de Comunicação e Educação Ambiental da EPAL, Marcos Sá. Na empresa desde 1999, assumiu o novo cargo em setembro de 2016 e pretende promover uma nova dinâmica comunicacional da marca. A campanha "Faz parte de si" é o primeiro passo.

quinta, 04 maio 2017 13:03
O Marcos quer pôr os lisboetas (e não só) a beber água da torneira

Briefing | De que forma a sua experiência na empresa pode ajudar a melhorar a comunicação da EPAL?

Marcos Sá | Se nós não conhecermos o sítio onde estamos, muito dificilmente sabemos comunicar. Primeiro é preciso entender a empresa. Esta empresa, neste momento, tem 1500 trabalhadores, diversas regiões de atuação, abastecemos 96 municípios, temos abastecimento e saneamento. É preciso ter preocupações do ponto de vista ambiental, saber de produtos e serviços porque esta empresa é altamente inovadora do ponto de vista tecnológico e presta serviços a diversas entidades gestoras a nível nacional e internacional. Temos de saber comunicar internamente no sentido de motivar os trabalhadores e as equipas. O conselho de administração e toda a equipa de diretores conseguem, de certa maneira, pôr a empresa a falar para fora com uma boa mensagem, prestação de um bom serviço e com responsabilidade social ambiental, que é muito importante e determinante.

Briefing | Como vai conseguir que essa mensagem seja passada da melhor forma?

MS | A minha aposta significativa é na água da torneira, na perspetiva de as pessoas a beberem com confiança. A EPAL tem o maior laboratório de Portugal e consegue garantir a possibilidade de as pessoas beberem água de qualidade. Tenho de comunicar nesse sentido, de dar a conhecer às pessoas que tratamos a água de tal forma que é a melhor opção, quer do ponto de vista económico, quer do ponto de vista ambiental. Mas também do ponto de vista da segurança.

Briefing | Então neste momento a estratégia foca-se muito em ganhar a confiança das pessoas?

MS | Foca-se muito em reforçar a confiança das pessoas. Acho que neste momento as pessoas já têm confiança na água da torneira. Eu tive a vantagem de estar na área comercial nas minhas funções anteriores e, nessa altura, uma das coisas mais críticas era que os turistas que vinham à cidade de Lisboa não confiavam na água porque pensavam que era de um "país de terceiro mundo". Temos das melhores águas da Europa e do mundo e é isso que as pessoas têm de percecionar. É preciso explorar esse lado: criar na hotelaria e na restauração o hábito, que já existe noutras cidades europeias e mundiais, de oferecer aos clientes um jarro com água. Temos de trabalhar nesse sentido.

Briefing | A campanha "Faz parte de si" é uma das suas primeiras iniciativas.

MS | Quer do ponto de vista do design, do layout, quer dos slogans, foi tudo feito e pensado dentro de casa e isso é uma vantagem. Dá um certo orgulho vermos uma campanha na rua que foi pensada do principio ao fim por nós. Temos, de certa maneira, de humanizar a empresa e torna-la um elemento da vida das pessoas. Acho que é isso que é conseguido nesta campanha.

Briefing | E garrafa Fill Forever tem cativado a atenção dos clientes?

MS | A garrafa já teve a sua campanha e é reconhecida, já teve prémios internacionais, e tem tido uma recetividade brutal. Aliás, uma das coisas que vamos tentar fazer é massificar e ter outros pontos de venda na cidade de Lisboa. Mas estamos também a pensar no modelo de negócio com vista a alargar a outros municípios, pois temos tido vários pedidos de reprodução da garrafa. A EPAL tem uma responsabilidade que passa muito além de Lisboa, temos de ser o exemplo nacional e temos de consolidar a nossa presença internacional. Há muitas coisas que já fizemos. O On, sistema de gestão de perdas, começou na EPAL e hoje em dia prestamos serviços em diversos municípios. De certa maneira comercializamos um novo serviço.

Briefing | Está previsto criar mais produtos deste género?

MS | Sim, brevemente vamos lançar um produto. Não posso ainda concretizar, mas será na mesma lógica das garrafas, embora mais direcionado para o segmento da hotelaria. E com um foco mais internacional, para que os turistas o possam levar como recordação. A ideia é nossa, os parceiros são portugueses, os produtores são portugueses e os criativos são portugueses.

Briefing | Em que medida é que estas campanhas e estes produtos contribuem para melhor a perceção dos lisboetas sobre a empresa?

MS | Tem a ver com a questão da confiança na empresa. Acho que quem beber água da torneira confia na empresa. Somos a empresa em Lisboa que terá a relação mais antiga com qualquer cliente. E esta ligação só duas entidades conseguem fazer, uma é a cidade e outra é a EPAL. Esta relação tem de ser duradoura e de confiança.

Esta entrevista pode ser lida na íntegra na edição impressa da Briefing.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

terça, 09 maio 2017 11:25

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing