Entrevistas

Aos 45 anos, Sheraton moderniza-se, de olho no “espaço ocioso” do turismo

Já foi o edifício mais alto do país e hoje, embora tendo perdido esse estatuto, continua a fazer das alturas um trunfo: é que do restaurante e bar do Sheraton alcança-se um panorama único. Aos 45 anos, o hotel adaptou-se às tendências de consumo e rendeu-se às ferramentas digitais. E depois de uma renovação profunda, vai continuar a refrescar algumas áreas, até porque é convicção do diretor-geral, António Pereira, que em Lisboa há ainda espaço para preencher em termos de oferta hoteleira.

terça, 05 dezembro 2017 12:37
Aos 45 anos, Sheraton moderniza-se, de olho no “espaço ocioso” do turismo

 

Briefing | O Sheraton nasceu muitos anos antes do surto de crescimento da oferta hoteleira da cidade. Quarenta e cinco anos depois, o que o diferencia?

António Pereira | O Sheraton começou a ser construído no início da década de 70, tendo aberto as portas ao público em novembro de 1972. Com a construção, a empresa proprietária na época, ITT Sheraton, trouxe para o nosso país o conceito de arranha-céus, tendo o hotel sido considerado na época o edifício mais alto do país. Foi também uma das primeiras unidades hoteleiras com disponibilidade de 400 quartos e ainda uma capacidade para 1500 pessoas em sala de reunião em simultâneo. Mantendo-se ainda hoje entre os edifícios mais altos da cidade sendo apelidado a oitava colina de Lisboa. 
O Sheraton continua a ser sinónimo de serviço de excelência, mantendo como maior benefício a fiabilidade de uma marca como a Marriott International e a qualidade comprovada ao logo destes 45 anos de laboração, no detalhe do serviço ao cliente.  Acompanhamos a evolução das novas tecnologias, permitindo aos nossos clientes o melhor programa de fidelização a nível mundial e ainda a possibilidade de efetuar o seu check-in e check-out através de uma aplicação instalada no telemóvel. As tradicionais chaves de quarto estão a ser gradualmente descontinuadas, podendo o cliente usar o seu smartphone para aceder ao quarto.

Como se tem comportado em termos de ocupação? Tem beneficiado do boom turístico da cidade? 

O nosso destino e, mais especificamente, a cidade de Lisboa tem beneficiado ao longo dos últimos anos de uma excelente exposição internacional. Todos temos trabalhado no sentido de aproveitar esta onda positiva que faz com que a cidade esteja na moda tornando-se uma primeira opção dos visitantes. A cidade cresceu em termos de ocupação e de preços médios, tendo o seu REVPAR se posicionado próximo do nível que merece, bem como da qualidade do produto que oferecemos. As estruturas existentes devem ser repensadas e alinhadas de forma a não defraudarmos as expectativas dos nossos visitantes, e assim projetar esta tendência nos próximos anos. O Sheraton tem acompanhado essa tendência, mantendo-se entre os líderes de mercado no segmento cinco estrelas. Lisboa, bem como a sua oferta hoteleira, tem ainda algum espaço ocioso que poderá ser preenchido. Para tal será necessário trabalhar os meses de dezembro, janeiro e fevereiro, considerados como o período de menor ocupação no destino.

Qual é o perfil dos clientes? Estamos a falar sobretudo de turista internacional? De lazer ou de negócios? 

O nosso segmento de mercado mais importante é o corporativo, seguido pelo segmento de lazer, tanto nacional como europeu. Os mercados brasileiro e norte-americano estão de regresso e em força, revitalizando a economia da cidade. Devemos realçar também os importantes mercado emergentes: China, Rússia e países árabes, que cada vez mais procuram visitar Portugal.

Em que medida é que o Panorama tem contribuído para afirmar o Sheraton? 

O restaurante Panorama é um dos nossos pontos fortes, não só pela vista e localização, bem como pela experiência gastronómica que proporciona aos nossos clientes, sendo uma referência na cidade. O bar e o restaurante, com o conceito musical e gastronómico existente, proporcionam aos seus visitantes momentos agradáveis, descontraídos com um dos melhores sunsets da cidade.

Como é que o Sheraton se promove? Que ferramentas de marketing privilegia?  

Embora com 45 anos de idade, o Sheraton mantém-se a par das tendências, privilegiando o marketing digital, quer através do próprio website, redes sociais ou plataformas de reserva online.

Que novidades podemos esperar para assinalar os 45 anos? 

Depois da profunda renovação efetuada em 2007, que fez com que o hotel ficasse como um dos mais modernos da cidade, indo de encontro às necessidades dos seus clientes, daremos agora continuidade e refrescaremos algumas das áreas, com uma maior profundidade no SPA e áreas públicas.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing