Marketing

9 empresas portuguesas no Top30 das mais reputadas em Portugal

9 empresas portuguesas no Top30 das mais reputadas em Portugal
Delta, Sumol Compal, Delta Q, Pingo Doce, Bial, TAP, Unicer, Sociedade Central de Cervejas e Worten; são estas as novas empresas nacionais que integram, este ano, o ranking das 30 organizações com melhor reputação em Portugal, segundo um estudo realizado pelo Reputation Institute (RI), o “Global RepTrak Pulse Portugal 2012”.

terça-feira, 15 maio 2012 16:45

A análise tem como objetivo aferir o índice de reputação das empresas portuguesas e multinacionais a operar em Portugal.

A Delta é a empresa portuguesa que apresenta um índice de reputação mais forte, com 84,87 pontos, tendo subido da nona posição, no ano passado, para o quarto lugar, este ano. A Delta Q registou também um crescimento, passando do 27º para o décimo lugar, com um índice de reputação de 81,05 pontos, face aos 76,62 pontos em 2011.

O Pingo Doce mantém-se como a empresa mais reputada no sector “Retalho –Comida”, ao passo que o Ikea  assume a liderança no de “Retalho – Geral”.

O Montepio Geral lidera o sector “Bancário” com 67,54 pontos, o que evidencia uma subida de 3,56 pontos. Nos “Seguros” é a Tranquilidade quem
assume o primeiro lugar, com 66,36 pontos.

Das empresas que integram o PSI 20, a ZON Multimedia foi aquela que obteve o incremento mais significativo, tendo tido um crescimento de 14 pontos e ocupando, este ano, o primeiro lugar; ao invés, a Jerónimo Martins assinalou a queda mais acentuada – 11 pontos comparativamente ao ano passado.

Pedro Tavares, partner e CEO da OnStrategy, que representa o Reputation Institute em Portugal, refere: “A gestão da reputação corporativa e das perceções dos diferentes stakeholders está cada vez mais no centro das decisões estratégicas das companhias. Este estudo permite-nos concluir que empresas com bons índices de reputação verificam níveis de apoio significantes por parte da opinião pública. Ou seja, mais de 70 por cento dos consumidores afirma recomendar as empresas que integram o Top 10 das mais reputadas, enquanto apenas 22 por cento faria o mesmo para com as empresas menos reputadas”. Outro dado que importa salientar é que “mais de 17 por cento da opinião pública não daria o benefício da dúvida a uma empresa com níveis de reputação baixos, perante uma situação de crise ou uma dúvida”, acrescenta Pedro Tavares.

Tal como aconteceu no ano passado, a Google é a marca mais reputada em Portugal, com uma pontuação de 87,98 pontos. A Microsoft subiu do sétimo para o segundo lugar, com 87,19 ponto, e a Apple ascendeu da 11ª para a terceira posição.

Relativamente aos sectores de atividade, a “Elétrico e Eletrónica” é a indústria com melhor reputação em Portugal (77,81 pontos), seguida do sector das “Bebidas”, que detém 76,19 pontos. Em terceiro, com 76,05 pontos, encontra-se a categoria “Computadores”.

Esta última juntamente com o sector “Energia” foram os que verificaram um maior incremente na reputação quando comparado com 2011. Já os sectores “Cimenteiro”, “Farmacêutico” e “Utilities” foram os que tiveram maiores quebras na pontuação.

O índice de reputação corporativa das empresas abrange sete dimensões, sendo que cada uma delas apresenta um peso distinto na alavancagem da reputação das empresas: “Produtos e Serviços”, “Inovação”, “Ambiente de Trabalho”, “Governo de Sociedade”, “Responsabilidade Social”, “Visão e Liderança” e “Performance Financeira”.

Neste ano, as dimensões mais valorizadas na aferição da reputação das empresas foram “Produtos e Serviços” (19,9 por cento), “Governo de Sociedade (15,8 por cento), “Inovação” (13,8 por cento) e “Responsabilidade Social” (13,4 por cento).

Fonte: Lift

bt nl

À Escolha do Consumidor

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing