Marketing

Publicidade exterior em Lisboa: a polémica segue dentro de momentos

O concurso para a exploração da publicidade exterior em Lisboa continua envolvido em polémica: depois de a MOP ter sido dada como vencedora, o que foi contestado pelos concorrentes, nomeadamente pela dreamMedia, o júri reverteu essa decisão e atribuiu a concessão à JCDecaux, gerando nova contestação dos excluídos. Os tribunais são a próxima paragem deste processo.

quinta, 01 fevereiro 2018 10:57
Publicidade exterior em Lisboa: a polémica segue dentro de momentos

 

Para este efeito, a MOP, através do fundo de capital de risco Explorer II, criou duas empresas – a Cartazes & Panoramas I e a Cartazes & Panoramas II –, as quais foram reconhecidas pelo júri como tendo as melhores propostas para os dois lotes a concurso, com base no critério preço. Na altura – maio de 2017 – a decisão foi contestada, nomeadamente pela dreamMedia, que argumentou que aquelas empresas haviam sido constituídas apenas seis dias antes de findar o prazo de candidaturas. Os concorrentes refutaram, igualmente, a proposta técnica dos vencedores e a capacidade das empresas para cumprir as obrigações do caderno de encargos.

O júri reviu, entretanto, a sua decisão, tendo, segundo o relatório final enviado aos candidatos, adjudicado a exploração da publicidade estática da cidade de Lisboa à multinacional JCDecaux.  

Para a MOP, as razões invocadas são “inaceitáveis”: “O Grupo MOP não pode aceitar que, numa sociedade moderna e transparente, que todos queremos que Portugal seja, possam existir procedimentos de contratação pública em que sejam violados de forma tão clara os princípios gerais aplicáveis e as regras do jogo previamente fixadas, com decisões dificilmente explicáveis à luz das mais elementares regras do direito”.

A empresa anunciou ainda que vai contestar a decisão, “recorrendo a todas as instâncias que considerar necessárias e reiterando que não deixará de denunciar a forma como este concurso foi conduzido”.

Também a dreamMedia vai decorrer da decisão da autarquia, quer em sede de audiência prévia, quer em sede judicial. A empresa acusa a JCDecaux de se ter “esquecido” de assinar eletronicamente as suas propostas, argumentando que este erro jurídico-formal “foi apontado por todos os outros candidatos” e “deveria ter sido motivo de exclusão das suas propostas”.

Ricardo Bastos, CEO do operador, espera agora que a câmara, “como é seu dever legal, exclua as propostas da JCDecaux por inconformidades formais”, situação em que – diz – os vencedores daquele que é considerado o “concurso do século” do setor da publicidade seriam a Cemusa no Lote 1 e a dreamMedia no Lote 2.

Contactada pela Briefing, a JCDecaux comentou apenas que “aguarda com serenidade a conclusão deste processo” e que, “neste momento”, não tem “qualquer outro comentário a fazer”.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing