Marketing

Eles querem provocar ondas no planeamento de meios. Sabe como?

Apresentam-se como “Future Makers” e prometem provocar ondas no planeamento de meios. Wavemaker Portugal é a nova agência do Grupo M, da WPP, que, ao legado da MEC e da Maxus, acrescenta as áreas de conteúdo e tecnologia. A Briefing falou com o CEO da operação em Portugal, José Manuel Cardoso, e com Maria João Oliveira, managing director, para conhecer melhor o projeto e a ambição.

quarta, 16 maio 2018 13:08
Eles querem provocar ondas no planeamento de meios. Sabe como?


Assim, conta Maria João Oliveira que a “Wavemaker Content ia ser um departamento da MEC”. “Já era um caminho traçado” e de olhos no conteúdo. Até porque, para José Manuel Cardoso, “a área de content é por onde passa o futuro da comunicação persuasiva das marcas” e é a junção com a capacidade tecnológica e o conhecimento dos meios que transformam o claim da nova agência: “Future Makers”. O próprio nome, explicam, baseia-se na lógica de turbinar toda a informação. “Queremos ser fazedores de ondas juntos dos nossos clientes, no mercado”.

As duas empresas tinham posicionamentos diferentes, mas ADN muito parecido, e não tinham grande concorrência entre si ao nível dos clientes. “A ideia foi fundir as duas agências e criar uma empresa realmente com escala em todas as geografias”, explica José Manuel Cardoso. E remata: “Neste momento temos as condições de base traçadas para podermos ser all over the world”. Maria João Oliveira acrescenta que a finalidade é ser “mais do que duas companhias juntas”. “Abraçar as novas tecnologias, os dados e o conteúdo e, com a junção, formarmos uma oferta ainda mais completa; não quer dizer que não a tivéssemos já, mas cada vez investimos mais nessas áreas”, enquadra. 

Mas como é que a Wavemaker se vai distinguir? “Para já pelo nome, que por si só já cria ondas”. Mas, do ponto de vista prático, são os recursos humanos que determinam o futuro. “Entre as (pessoas) que saem e as que entram na empresa, a preocupação é criar um balanço que confirme não só a parte da ‘media’ como a parte do ‘content’ e a parte da ‘tecnologia’ que são os nossos três grandes pilares”. O CEO destaca a importância de contratação de pessoas com conhecimento abrangente: “O conhecimento, para nós, tem de estar horizontalizado. Os especialistas, esses sim, têm de ter um comportamento verticalizado”. Esta ordem de ideias é reflexo do ADN da MEC, baseado na lógica “Don’t Just Live. Thrive”, e da Maxus, que se orientava através do PACE. “Aquilo que nos vai unir e que vai fazer de nós uma agência com um posicionamento diferente da normalidade, não é o PACE, nem o ‘Don’t Just Live. Thrive’, é o PACED”. José Manuel Cardoso explica a sigla: Passionate (Apaixonado), “pessoas com muita paixão por aquilo que fazem”,  Agile (Ágil) , “que sejam absolutamente ágeis na forma de pensar e colocar os pensamentos”, Collaborative (Colaborativa), a colaboração dentro da empresa “já existe e é importante”, Entrepreneurial (Empreendedor), “que não olhem para o facto de estarem aqui para subsidiar o final do mês, que olhem para o posto de trabalho como a sua própria empresa”, e Diverse (Diversidade), “admitir a diversidade não só de géneros mas também de opiniões, provocar discussões que nos apontem para um caminho”. “Estes cinco pilares são fundamentais para o futuro do posicionamento desta empresa”.

Às pessoas, Maria João Oliveira acrescenta o produto como motivo de diferenciação, isto porque foi feito um investimento no sistema de planeamento e plano estratégico assente em estudos e ferramentas no estudo-estrela do grupo “Wavemaker Momentum”. “Essa consultoria, que nos propomos fazer, assenta num processo e no consumo, ou seja, na viagem e na jornada do consumidor no seu dia a dia”. Neste contexto, a diretora-geral explica que a observação e o plano são feitos de forma circular. “Há uma fase em que procuro e recebo estímulos, depois há um trigger e eu parto para a procura da informação. Realizo e fecho a venda, mas, depois da venda, volto a fazer parte do processo inicial de procura de estímulos”, clarifica, avaliando esta metodologia como uma mais-valia pela forma como a informação é recolhida. “Para fazermos tendências nos mercados e para que essa consultoria nos coloque sempre na linha da frente das tendências do consumidor”.

Este artigo pode ser lido na íntegra na edição impressa da Briefing.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing