Marketing

A Mónica declara o estado de eficácia

“Está decretado o estado de eficácia. Porque nós merecemos”. É assim que a presidente do júri dos XVI Prémios à Eficácia, Mónica Serrano, remata a entrevista sobre a edição deste ano. A também Chief Marketing Officer da L’Oréal Portugal diz que a indústria deu provas de bom trabalho e foi também ela eficaz na parceria entre anunciantes e agências. O resultado final é conhecido hoje, a partir das 17h, na habitual gala, este ano, virtual, e com transmissão em direto no site dos prémios.

quinta-feira, 19 novembro 2020 12:43
A Mónica declara o estado de eficácia

 

Briefing | Quais os desafios inerentes a avaliar a eficácia de uma campanha?

Mónica Serrano | Avaliar a eficácia de uma campanha passa por juntar três grandes desafios, como se quisessemos juntar três produtos de maquilhagem para obter o look perfeito.

Primeiro, é imprescindivel conhecer bem a nossa pele e escolher a base certa, o mesmo para uma campanha: é fundamental conhecer os nossos consumidores e escolher a audiência correta. Cada marca e cada campanha têm um perfil de consumidor, como cada pele tem a sua base ideal, cabe-nos a nós encontrá-lo.

O segundo é o contouring, aquilo que são os caminhos e traços onde queremos deixar a marca da nossa campanha e que são os meios e touchpoints onde estamos presentes. Sem saber onde encontrar a audiência, onde fazer parte da sua rotina, onde entrar no momento certo e com a frequencia certa na sua vida, é como aplicar um sombreado que nos acentua as olheiras. Cada campanha e cada marca tem zonas de destaque, USP, mensagens e verdades que tem de comunicar com clareza e precisão, nos lugares certos, como quando colocamos um iluminador nas zonas que mais nos favorecem.

O terceiro, a criatividade, o conteúdo, o batom que dá cor e vida à nossa comunicação. Sem diferenciar a criatividade no contacto com o consumidor, sem lhe chamar a atenção para os elementos que fazem das marcas entidades unicas e insubstituiveis, sem que o conteudo seja criado, trabalhado e desenhado para gerar emoção, impacto e conectividade com o publico alvo, é como borrar o batom quando se tem a maquilhagem perfeita.

A beleza da comunicação entra nesta mala de maquilhagem com os seus três produtos de eleição, mas que só funcionam em conjunto e nunca dissociados. A eficácia é o espelho que nos mostra a boa combinação dos três fatores num resultado final que tem de ser sempre mensurável.

 

O que houve de mais desafiante nessa missão? Afinal, eram 113 candidaturas…

Uma missão única e, de facto, muito desafiante. São 16 categorias, dezenas de mercados e áreas distintas, 113 casos que analisámos com todo o detalhe, 113 casos que discutimos e trocámos impressões e know-how, foram muitas horas dedicadas. As reuniões que o júri teve foram, na sua grande maioria, via digital, à distância, o que fez desta missão ainda mais desafiante.

Foi também uma missão muito gratificante, onde tive oportunidade de assistir em primeira mão à seriedade, profissionalismo, organização e dedicação da APAN e da Exoticology a estes prémios e, acima de tudo, foi um enorme privilégio trabalhar com 11 enormes profissionais, que me ajudaram bastante nestes ultimos meses; o talento, energia e boa disposição deste grupo foram chave para esta missão ter sido (tão bem) conseguida!

 

A resposta da indústria a estes prémios significa que a demonstração da eficácia está cada vez mais presente quando se desenha uma campanha?

Numa altura em que os investimentos são cada vez mais otimizados, onde ser relevante é um desafio constante, a eficácia de uma campanha nasce no momento do brief. Ficou muito bem demonstrado que marcas e agências trabalham cada vez mais em parceria.

Estes prémios são também, isso mesmo, o resultado do (bom) trabalho entre anunciantes e agências, que participam em conjunto, mostrando a importancia que há nesta ligação. Numa altura em que o trabalho em equipa é tão desafiante, estes projetos são ainda mais valorizados!

Ficou claro nesta edição que a eficácia, na maioria dos casos, foi pensada desde o início; com a definição de objetivos SMART desde o desenho da campanha.

 

Esta edição, já o referiu, ocorre num contexto muito específico. Diria que está a ser particularmente difícil para a indústria da comunicação? Em que medida?

Vivemos num contexto sem paradigma, onde o medo do presente se cruza com a incerteza do futuro e isso, naturalmente, afeta a indústria da comunicação. Os investimentos de media tiveram uma queda de -21% (JAN-SET) vs 2019, segundo dados do GroupM.

Os anunciantes, de forma geral, sofreram cortes de budget na área da comunicação e todas as iniciativas passam a ser muito mais criteriosas.

Por outro lado, e, felizmente, vemos também no mercado português marcas que se reeinventam, que passam a servir melhor a sociedade, marcas que repensam o seu propósito, que se tornam mais inclusivas e responsáveis, que respondem às novas necessidades dos consumidores – estes procuram mais conveniência, são mais preocupados com a sua saúde e bem-estar e que querem uma comunicação mais transparente e trustable.

A criatividade sofreu, mas fez-se mais e melhor com menos (budget e condições). A cooperação e o brainstorm sofreram, mas também se souberam reinventar digitalmente. Os touchpoints alteraram-se, mas nunca se "consumiu" tanta media como hoje.

É, pois, uma edição que ocorre num contexto de forte mudança, onde a comunicação eficaz vale mais do que nunca.

 

 Esta entrevista pode ser liga na íntegra na edição impressa da Briefing de novembro.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

bt nl

À Escolha do Consumidor

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing