Marketing

De uma história de amor em Coimbra para Setúbal: #ProvamosEAprovamos o Peixoco

Chama-se Peixoco e o nome não engana: este restaurante de Setúbal junta peixe e choco. Mas, desengane-se quem pensar que é mais um restaurante de peixe grelhado e de choco frito. Porque não é. André Lucas e Constance Bauer têm outras ambições para este espaço virado para a doca de Setúbal, com o Sado e uma nesga de Troia no horizonte.

sexta-feira, 01 julho 2022 11:43
De uma história de amor em Coimbra para Setúbal: #ProvamosEAprovamos o Peixoco

Foi em 2021 que encontraram a localização ideal para este projeto a dois. Recuemos, porém, alguns anos, indo até Coimbra, onde que se conheceram: André estudava Economia e Constance, nascida em França, mas com mãe portuguesa, estava na cidade para aprender português.

Cruzaram-se e rapidamente Constance deixou Paris pela cidade dos estudantes. Uma passagem breve, pois cedo desceram até Lisboa. A restauração acabou por ser o destino dessa viagem, que culminou, em 2017, no desejo de terem um espaço próprio. Os preços praticados na capital desencorajaram-nos e, num passeio por Setúbal, depararam-se com um sinal de “Vende-se” que lhes chamou a atenção. Um telefonema ao proprietário e uma visita foram quanto baste para fecharem negócio, não sem antes se aconselharem com o irmão de Constance, empresário da restauração em França. Estava dada luz verde para o Peixoco.

De uma história de amor em Coimbra para Setúbal: #ProvamosEAprovamos o Peixoco

Com Constance na cozinha e André na gestão e na garrafeira, o restaurante vive em dois ambientes distintos: uma sala interior, de decoração despojada, mas acolhedora, para a qual se abre o balcão da cozinha; e uma esplanada ampla, luminosa, que pisca o olho ao rio.

De uma história de amor em Coimbra para Setúbal: #ProvamosEAprovamos o Peixoco

A preocupação é servir qualidade. Não se tome o nome por redutor, porque o casal tem um conceito claro. Nas palavras de André, “tapas e petiscos do mar, com foco no produto português, mínimo de desperdício possível e respeito pelas espécies”. Reforça a mensagem, elencando quatro princípios de que não abdica: espécies não ameaçadas, desperdício tendencialmente zero, produtos locais e vinhos e bebidas de pequenos produtores.

Não está nestes princípios, mas poderia estar: o Peixoco propõe-se também trabalhar os vegetais de forma diferente. André diz mesmo que os acompanhamentos do peixe grelhado “não têm nada a ver” com o que se serve pela cidade, são “mais trabalhados, mais saborosos”.

Podemos comprová-lo, não a acompanhar peixe, mas como um prato em nome próprio: alface grelhada com ovas de truta e algas. Muito longe do habitual destino da alface…

De uma história de amor em Coimbra para Setúbal: #ProvamosEAprovamos o Peixoco

Entremos, então, no que nos chegou à mesa: ostras do Sado, fresquíssimas, de um fornecedor local que “está a ganhar importância”; espadarte de Sesimbra fumado e curado, com blinis e créme fraiche com cebolinho. E croquetes de choco, com maionese e paprika fumada: uma palavra para estes croquetes, que cumprem um dos pressupostos do restaurante, pois são feitos com partes do cefalópode tradicionalmente menos usadas noutros pratos.  

De uma história de amor em Coimbra para Setúbal: #ProvamosEAprovamos o Peixoco

A sustentabilidade continua sob a forma de uma salsicha, que parece carne, mas não é: é feita com sobras de dourada e carapau, envoltas em especiarias; depois é ligeiramente fumada, a lembrar um enchido, embora sem tripa; e servida na companhia de puré de batata doce, plantas halófitas e manteiga noisette.

De uma história de amor em Coimbra para Setúbal: #ProvamosEAprovamos o Peixoco

A tosta de carapau brilhou igualmente: os filetes são marinados em especiarias, sendo apresentados sobre uma cama de pesto de coentros e queijo de S. Jorge.

De uma história de amor em Coimbra para Setúbal: #ProvamosEAprovamos o Peixoco

As gambas grelhadas com molho de manteiga foram outra boa surpresa, com a carne a soltar-se gulosamente da casca.

De uma história de amor em Coimbra para Setúbal: #ProvamosEAprovamos o Peixoco

E o que dizer do arroz negro, com tinta de choco? No ponto, cremoso, saboroso. Ficou para o fim da refeição e obrigou a uma dose extra de apetite, mas valeu bem a pena.

De uma história de amor em Coimbra para Setúbal: #ProvamosEAprovamos o Peixoco

Não provámos peixe grelhado ou choco frito. Para quê, se neste Peixoco há tanto mais por onde escolher e, sobretudo, diferente?

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

bt nl

2050.Briefing

O Outdoor Honesto

À Escolha do Consumidor

Edições Especiais

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing