Media

Como a Economist organiza conferências

Há 30 anos que a revista The Economist, através da sua divisão de eventos, organiza conferências que reúnem políticos com líderes empresariais e investidores para debater as perspetivas políticas e económicas de um país específico. Nos dias 18 e 19 de fevereiro organiza a Lisbon Summit e Emily Jackson-Kessler, Events Director, EMEA, do grupo diz ao Briefing o que significam estas iniciativas.

quinta, 30 janeiro 2014 11:27
Como a Economist organiza conferências

Briefing | Porque é que a unidade The Economist Events é importante para a marca The Economist?

Emily Jackson-Kessler | Os eventos sempre foram um negócio rentável para o grupo The Economist e são a personificação da marca The Economist: É muitas vezes nestes eventos que conhecemos pela primeira vez os nossos clientes. Criamos eventos que abordam questões viradas para o futuro com uma perspetiva única global para um público que é apaixonado sobre os problemas que definem o nosso mundo.

Briefing | Quais são os principais tópicos da estratégia do The Economist Events?

EJ-K | A nossa estratégia é tratar de temas onde possamos contribuir para o debate e fazer a diferença. Em termos gerais, os nossos eventos oferecem uma visão especializada sobre os negócios, a indústria, as principais questões globais e - como no caso da conferência de Lisboa – abordam o panorama político e económico de países específicos. Reunimos nos nossos eventos os stakeholders mais relevantes, permitindo um debate aberto e franco. As nossas conferências com membros do governo, em particular, fornecem ao nosso público uma experiência única de ouvirem de viva voz os principais protagonistas políticos.

Briefing | Como é Portugal é importante para a vossa estratégia no Sul da Europa?

EJ-K | Portugal tem particular interesse para nós devido ao ambicioso programa de estímulos que apresentou no ano passado para reanimar a economia. O objetivo da nossa conferência em Lisboa é analisar e debater a agenda de reformas do governo e o panorama económico, político e social do País.

Briefing | Quais são os vossos planos para o mercado português?

EJ-K | Temos a intenção de realizar a próxima edição da conferência de Lisboa no início de 2015.

Briefing | Como vê a evolução deste tipo de eventos na Europa?

EJ-K | Há 30 anos que a The Economist Events organiza conferências que reúnem políticos com líderes empresariais e investidores para debater as perspetivas políticas e económicas de um país específico. Acreditamos que as conferências oferecem aos líderes empresariais e aos governos uma plataforma única para a discussão aberta e que este formato vai continuar a ser relevante, especialmente em tempos económicos difíceis.

Briefing | Como é que estes eventos podem ser uma fonte de receitas para o negócio de media numa altura que as edições impressas estão a perder terreno?

EJ-K | A The Economist continua a crescer em termos de leitores e vemos a maioria dos nossos leitores escolher ativamente ler ao mesmo tempo tanto as edições impressas como as digitais. No entanto, o desafio maior é lidar com a mudança de paradigma nos orçamentos dos departamentos de marketing. Estamos, portanto, a desenvolver continuamente os nossos produtos e soluções, incluindo eventos para responder a esta mudança na alocação de gastos com publicidade.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

segunda, 03 fevereiro 2014 12:39

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing