Media

Media portugueses enfrentam Google e Facebook com Nónio

O Nónio é uma plataforma nacional que visa manter a independência económica dos media em Portugal, aproveitando a tendência de investimento do mercado publicitário no digital. A ferramenta surge ainda para fazer frente ao Facebook e à Google através da união dos grupos Media Capital, Impresa, Renascença, Cofina, Público e Global Media. 

segunda, 11 setembro 2017 12:27
Media portugueses enfrentam Google e Facebook com Nónio

Representantes dos seis grupos apresentaram à Briefing a estratégia e o que levou à criação do Nónio, que é a resposta a um diagnóstico feito ao mercado, onde foram reveladas as suas principais tendências. Segundo explica o diretor comercial para a área digital da Impresa, João Paulo Luz, uma das principais conclusões é que "toda a transação publicitária no digital se vai fazer baseada em data e quem não tiver data vai estar muito fragilizado". Desta forma, dado os grandes desafios tanto a nível de recursos, como a nível de escala dos momentos de contacto com audiências para a obtenção de data próprio, a união trará mais capacidade económica para a obtenção de data e maior escala para o fazer de forma robusta e apetecível para os anunciantes.

Os grupos Media Capital, Impresa, Renascença, Cofina, Público e Global Media, representam mais de 70 sites de publishing em Portugal e, segundo o responsável pela área comercial digital e novos negócios da Cofina, José Frade, a união dos seis grupos pode assim criar esta escala necessária, recolhendo data dos utilizadores, e criando assim valor muito diferente do atual, quer para os publishers, quer para as agências e marcas, pois passam a ter acesso a outro tipo de dados sobre os utilizadores. "Esperamos que o mercado da publicidade, sejam agências, sejam anunciantes, de alguma forma veja que ao entregarmos um produto que parte de uma base comum, tem mais força, é mais competitivo face ao que nós hoje oferecemos e que nos permite entrar numa área de oferta onde hoje a Google e o Facebook estão claramente presentes", explica o diretor de Inovação e Novos Negócios Global Media, Marcelo Leite.

"O digital é uma coisa muito mais lata, não só tem dois players internacionais fortíssimos, o Google e o Facebook, como a própria dispersão é muito maior e como a data, a dimensão e a escala são muito relevantes nós passámos a ter este mesmo problema que era, não tínhamos escala nem dimensão suficiente para poder fazer frente a estes grandes players", expõe a administradora do Grupo Renascença, Renata Silva. Por outro lado, os grupos defendem ter o conteúdo credível, de qualidade e reconhecido em Portugal e, por isso, terem valor para oferecer.

Esta é assim uma forma de manter a sobrevivência dos media em Portugal e a sua independência económica, numa altura em que "o mercado de publicidade tem desviado investimento para dois distribuidores de conteúdo que são o Google e o Facebook, isto no mercado digital", alude o diretor comercial digital da Media Capital, Mário Matos. "O que o mercado pode esperar é a capacidade de segmentar publicidade nestes meios tendo como base uma recolha de audiência que é comum", isto é, que tem como base o mesmo método de recolha, acrescenta. Esta análise será transparente, do conhecimento do mercado, e com base em dados de pessoas e não de browsers, diz.

O Nónio irá assim recolher dados de registo dos utilizadores que podem depois ser trabalhados por segmentos. Para o utilizador basta fazer o registo num dos sites dos grupos para estar registados nos restantes, explica o diretor geral Comercial no Jornal Público, Mário Jorge Maia. Acrescenta ainda que a alteração, para o utilizador, terá a ver com as sugestões dadas, isto é, enquanto está numa página de um destes grupos passam a ser sugeridos conteúdos relacionados com os interesses de cada um, tal como irá acontecer com a publicidade. Já a nível da matéria de fecho de conteúdos, esta mantem-se inalterada, cada um destes grupos vai manter a sua estratégia individualmente e também se vão manter as assinaturas para aceder a certo tipo de conteúdos.

Para divulgar o Nónio será lançada uma campanha desenvolvida pela BAR, que se vai dividir em três fases. A primeira para explicar a união, o projeto e como se faz o registo, a segunda fase em que é motivado o registo e, finalmente, a contagem decrescente para o fecho de conteúdos. A ação será divulgada pelos meios que pertencem aos seis grupos.

A união destes grupos, que são todos concorrentes, tal como o seu objetivo comum tornam o projeto único no país e os grupos admitem até já terem sido contactados por países como Suíça e Holanda por causa do Nónio.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing