Media

Redes sociais como fonte? TV prefere o tradicional

As redes sociais ocupam um lugar ainda pouco relevante na construção da notícia, cedendo o lugar privilegiado às fontes tradicionais. Os dados são de um estudo lançado pela agência de comunicação Comunicar-se em parceria com a Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP).

sexta, 06 outubro 2017 10:55
Redes sociais como fonte? TV prefere o tradicional

Segundo o inquérito realizado às redações da RTP, SIC, TVI, CMTV e Porto Canal, a pouca utilização das redes sociais resulta do “desprestígio, em termos de credibilidade, que é atribuído ao conteúdo que neles é publicado”.

“Embora os jornalistas possam supervisionar com frequência as informações que circulam no Facebook, Twitter e Youtube – devido ao lugar que estas plataformas ocupam hoje na vida dos indivíduos e enquanto veiculadoras de informações que podem ter interesse jornalístico –, as fontes tradicionais mantêm um lugar privilegiado no processo noticioso”, revela o estudo.

Na relação dos inquiridos com as redes sociais, em contexto profissional, o Facebook é o canal mais utilizado como fonte noticiosa.

“Hoje, o ritmo vertiginoso da informação perdeu-se nas redes sociais, dando lugar à instantaneidade que se assume, cada vez mais, como um conceito dominante”, afirma a diretora da Comunicar-se, Raquel Garcez Pacheco. “Este processo permite que um acontecimento se propague rapidamente e circule de forma incontrolável podendo levar os jornalistas – pressionados pelas características do próprio meio – a adotarem as redes sociais como fontes, sem que a informação dos mesmos se constitua fidedigna”. Defende, porém, que “a credibilidade dos factos e o contraditório devem sempre assumir um papel preponderante.”

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

sexta, 06 outubro 2017 11:02

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing