Media

Sindicato diz que recomendações a jornalistas sobre uso de redes sociais não podem ser ordens

rtp1logo.jpg
O Sindicato dos Jornalistas avisou hoje que as recomendações do director de Informação aos jornalistas da RTP sobre contas pessoais em redes sociais não podem ser tidas como ordens já que a sua autoridade não abrange iniciativas privadas.
domingo, 29 novembro -0001 23:23


"O jornalista [e director de Informação da RTP] José Alberto de Carvalho tem o direito de expressar livremente a sua opinião designadamente sobre os problemas que as novas ferramentas de comunicação levantam aos jornalistas, mas não pode transformar as suas opiniões em orientações ou recomendações sobre matéria que ultrapassa a sua competência", refere o órgão em comunicado hoje divulgado.

Segundo lembra, o director recomendou há dias aos jornalistas da estação que utilizam as suas contas pessoais em blogues ou redes sociais da Internet como o no Twiter ou Facebook que "devem observar o bom senso".

A iniciativa, adianta o sindicato, está a recolher apoios, o que suscita aos órgão sindical "a suspeita de que tal recomendação seja transformada em ordem de serviço na RTP e possa mesmo vir a ser adoptada por outros órgãos de comunicação social".

Perante isso, o SJ alerta os directores de Informação que o seu poder "jamais pode invadir a esfera privada dos jornalistas ao seu serviço nem questionar a plena fruição da liberdade de expressão das pessoas enquanto cidadãos".

Afirmando-se disponível "para participar no debate público sobre os problemas que as tecnologias de informação e comunicação colocam aos jornalistas e ao jornalismo", o SJ sublinha rejeitar "quaisquer posições visando limitar a liberdade dos cidadãos que são jornalistas ou quaisquer restrições aos seus direitos fundamentais".

Fonte: Lusa

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing