Karly Alves Ribeiro fala de mulheres que correm com lobos

Neste Dia Internacional da Mulher, a Co-founder e Head of People & Culture da sheerME, Karly Alves Ribeiro, defende que ainda persiste um longo caminho a percorrer para a igualdade de oportunidades no mundo dos negócios.

Karly Alves Ribeiro fala de mulheres que correm com os lobos

Como cofundadora da sheerME, uma startup dedicada à inovação na área da beleza e do bem-estar, tenho o privilégio de fazer parte de uma comunidade empreendedora onde as mulheres desempenham um papel cada vez mais proeminente. Nos últimos anos, testemunhamos um crescimento significativo do empreendedorismo feminino em todo o mundo. As mulheres estão a lançar e a liderar empresas em diversos setores, a desafiar  estereótipos e a conquistar espaços que antes lhes eram negados. Até em eventos que anteriormente eram maioritariamente frequentados por homens, noto cada vez mais decisores do ecossistema a valorizarem a presença feminina e as nossas opiniões. No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer para alcançarmos a verdadeira igualdade de oportunidades no mundo dos negócios.

Apesar desse crescimento global, quando entro num evento de networking em Portugal ainda consigo observar uma grande discrepância entre o número de homens e mulheres presentes. Mas com o tempo, tenho aprendido que não é preciso assumirmos uma postura competitiva, agressiva e por vezes dura para fechar negócios. Acredito que sermos fiéis a nós mesmas e encontrarmos a nossa própria voz é fundamental para superar as expectativas preconcebidas pelo ecossistema.

No que diz respeito à angariação de investidores, trabalhar com uma equipa de fundadores diversificada na criação da sheerME foi, sem dúvida, uma vantagem na atração dos investimentos que recebemos. Embora possa parecer mais “fácil” levantar capital com uma equipa mista, a realidade é que levantar investimento é uma tarefa árdua, independentemente do género. Devemos manter a confiança em nós mesmos e no nosso produto ou serviço, sem considerar o facto de sermos mulheres como uma barreira.

Se analisarmos um estudo feito pela Informa D&B de 2023 sobre a presença feminina nas empresas em Portugal, conseguimos tirar algumas conclusões: os empregados do sexo feminino são cerca de 2,9 milhões, representando cerca de 42% do total. Mas nos cargos de decisão, que incluem sócios, acionistas, cargos de gestão e direção executiva, a percentagem de mulheres é de cerca de um terço do total destes cargos (34%), e em cargos de liderança, apenas 26,9% são ocupados por mulheres. Os números são ainda menores quando considerados os cargos de topo – direção geral e conselhos de administração – apenas 13,9% das funções de direção geral são desempenhadas por mulheres, uma percentagem que é de 16,2% nos lugares de conselhos de administração.

Em algum momento da sua carreira, a maioria das mulheres em posições de liderança irá encontrar-se num ambiente de trabalho dominado por homens que não reconhecem o seu papel de liderança. Mas a verdade é que as mulheres desempenham um papel crucial na criação de empregos e no crescimento económico, e pela minha experiência, acredito que empresas lideradas por mulheres tendem a ser mais inovadoras, inclusivas e socialmente responsáveis. Felizmente, estamos a assistir a um movimento crescente de apoio e promoção do empreendedorismo feminino. Incubadoras, aceleradoras, programas de mentoria e redes de apoio dedicadas às mulheres empreendedoras têm surgido em todo o mundo, oferecendo recursos e oportunidades de desenvolvimento.

Como co-fundadora da sheerME e com uma equipa de trabalho maioritariamente feminina, sinto-me inspirada e motivada pelo potencial ilimitado das mulheres. Estamos a fazer história, a quebrar barreiras e a abrir portas para as próximas gerações de líderes. O empreendedorismo feminino é uma força imparável que está a moldar o futuro dos negócios e da sociedade. Tal como a autora Clarissa Pinkola Estés defende no seu livro sobre o poder feminino “Mulheres que correm com os lobos”, é fundamental não termos medo de recuperar a nossa natureza instintiva e selvagem, arriscar e explorar novos caminhos: “Aventure-se na floresta, vá em frente. Se não o fizer, nada acontecerá e a sua vida nunca terá um início”.

Karly Alves Ribeiro, Co-founder e Head of People & Culture da sheerME

 

Sexta-feira, 08 Março 2024 10:34


PUB