O que anda Carolina a fazer na Konica Minolta? A dar-lhe palco

Dar palco à marca e humaniza-la. Esta foi a missão que Carolina Afonso chamou a si quando, há ano e meio, assumiu a direção de Marketing da Konica Minolta. Desde então a empresa ganhou outra visibilidade, colocando a tecnologia ao serviço dos conteúdos em grandes eventos. No entretanto, a marketeer tornou-se a primeira portuguesa a receber o Prémio Extraordinário de Doutoramento em Marketing pela Universidade Complutense de Madrid. Um reconhecimento pessoal, mas que – diz – se repercutirá profissionalmente.

 

Briefing | Recebeu, recentemente, o Prémio Extraordinário de Doutoramento em Marketing, da Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais da Universidade Complutense de Madrid. Que significado tem esta distinção?

Carolina Afonso | Esta distinção simboliza, sobretudo, o reconhecimento pelo esforço e dedicação que coloquei no trabalho de investigação que realizei ao longo dos quatro anos de doutoramento. Fazer um doutoramento é uma maratona, um investimento no longo prazo, uma “empreitada” em que, quando se inicia, o final é algo muito distante. Pelo meio há muito trabalho invisível em termos de horas de estudo, leitura, discussão e também de privação em termos de disponibilidade, pois é um investimento em tempo que nos sai sobretudo da vida pessoal. O facto de ser um reconhecimento numa universidade estrangeira também tem um significado, pois ali não há histórico sobre “quem fomos” até ali chegar. O que importa é realmente quem somos ao nível da meritocracia do trabalho realizado naquele âmbito académico.

Ser a primeira portuguesa distinguida acrescenta valor e/ou responsabilidade?

Confesso que quando estava no Salão Nobre onde foi feita a entrega do prémio, olhei em redor e vi uma sala cheia de pessoas oriundas de diversos países e ouvi o meu nome ser chamado, senti primeiro um arrepio e, depois, um orgulho enorme em ser portuguesa. Trata-se de um reconhecimento feito pela mais antiga universidade de Espanha na área da economia e com um enorme prestígio. Sentir que o estudo que desenvolvi, e que foi feito em Espanha e em Portugal, foi distinguido e que era a única portuguesa a receber, até agora, o Prémio Extraordinário de Doutoramento na área de Ciências Empresariais/Marketing é um orgulho imenso e a certeza que todo o esforço valeu a pena. É algo que se transforma rapidamente em responsabilidade, sobretudo porque também sou professora e sinto que tenho um sentido de missão acrescido.

Embora sendo um reconhecimento pessoal, que impacto tem a nível profissional?

A nível profissional, penso que este reconhecimento se traduz no reforço do conhecimento especializado na área de Marketing e na aplicação do mesmo no meu dia a dia quer enquanto diretora de Marketing da Konica Minolta, quer enquanto professora no ISEG e noutros projetos na área do Marketing nos quais estou envolvida, como na direção da Associação Portuguesa de Profissionais de Marketing ou na escrita de livros nesta área. Creio que o grande ganho que um doutoramento aporta à vida profissional é a capacidade de sistematização de problemas complexos e de tomada de decisão.

Assumiu, há ano e meio, a direção de Marketing da Konica Minolta. Que balanço faz?

O balanço é extremamente positivo. Encontrei uma empresa multinacional de origem japonesa que é centenária e que ao longo da sua história foi enfrentando com sucesso diversos desafios. Hoje em dia, o negócio da empresa está em transformação e inclui a área do printing e da gestão documental como também a área de serviços de TI.

E esta transformação passa por tecnologia, mas também por modernização de processos e aposta nas pessoas, sobretudo em novos talentos. No espaço de um ano, a equipa de marketing passou de quatro para 11 pessoas. Procurar os talentos certos, formar esta equipa, acompanhá-los e conseguir ver, na prática, o impacto positivo que trouxeram para a organização é a maior conquista.

Quais os principais desafios que encontrou?

O principal foi ao nível da comunicação. Encontrei uma empresa que me apaixonou logo de início pelo lado interno. As pessoas fazem, de facto, a diferença na Konica Minolta. Mais do que colaboradores, são profissionais dedicados e muito humanos e esta componente é essencial em B2B, sobretudo em serviços. Senti que fazia falta dar a conhecer “ao mundo” este humanismo e bom ambiente que se vive internamente. Além disso é uma marca que procura fazer jus ao seu claim – giving shape to ideas – na experiência que entrega ao cliente. O desafio foi dar palco à marca, comunicar os seus valores e missão e dar a conhecer quem faz parte da sua história, humanizando-a.

O segundo grande desafio foi constituir uma equipa que gere um projeto internacional a partir de Portugal, pois temos na nossa equipa de marketing as pessoas que gerem toda a comunicação digital da Konica Minolta do Cluster Sul e que inclui Portugal, Espanha, França e Itália.

De que forma contribuiu para mudar a comunicação da empresa? Atendendo a que a empresa ganhou visibilidade, nomeadamente com os patrocínios a eventos como a ModaLisboa ou o Estoril Open?

Entendemos estes patrocínios como parcerias. Para nós, mais do que ter o nosso logótipo associado a estes eventos, interessa-nos acrescentar valor. Procuramos trazer a tecnologia a estes eventos e em ambos desenvolvemos em conjunto projetos de realidade aumentada.

Através da nossa tecnologia e da nossa aplicação GenARate desenvolvemos conteúdos, desde um mapa interativo, a objetos 3D que permitiam aos participantes interagir com as marcas no recinto. A comunicação e a visibilidade que tivemos acabaram por ser uma consequência desta nossa aposta em acrescentar valor a estes eventos.

Depois do Centro de Inovação e do Workplace Hub, o que pode o mercado esperar da Konica Minolta?

Acabámos de conquistar agora a distinção de sermos a subsidiária na Europa com melhor índice de satisfação dos clientes medido através do Net Promoter Score, uma metodologia científica utilizada globalmente por várias empresas. Este reconhecimento significa que o mercado pode continuar a esperar da Konica Minolta um elevado comprometimento em entregar aos clientes uma experiência ímpar e uma qualidade de serviço superior. A aposta na inovação está no nosso ADN e vamos continuar a surpreender o mercado com a nossa oferta, em áreas como a realidade aumentada, soluções de automatização de processos, desmaterialização e serviços de TI.

fs@briefing.pt

 

Terça-feira, 06 Agosto 2019 11:21


PUB