STOP. E Love (It) Portugal

A… STOP. Foi durante um destes jogos tradicionais que António Moreira começou a fermentar a ideia da Love It Portugal. Esta é a materialização do seu sonho de levar o melhor do País aos quatro cantos do mundo. Filigrana, flores de cerâmica e malas de junco são alguns dos produtos disponíveis. E ainda que venda artigos típicos, esta não é uma loja de souvenirs.

STOP. E Love (It) Portugal

A vida profissional levou António Moreira a inúmeras viagens um pouco por todo o mundo. As escalas nos aeroportos eram, por isso, habituais e passadas, muitas vezes, a jogar ao STOP. Quando chegava às marcas, identificava poucas portuguesas com projeção global. “Isso chamou-me a atenção, até porque nós temos matérias-primas de altíssima qualidade, que são muito nossas e que nos permitem fazer produtos diferenciados”, conta. Ao regressar dessas viagens, via Portugal pelos olhos de quem está fora e percebeu que a riqueza de Portugal era reconhecida em muitas vertentes, sobretudo na gastronomia, tradições, valores e até de condições de vida e trabalho, mas que havia poucas marcas que representassem e promovessem os seus produtos. 

Por vários motivos, sobretudo familiares, com filhos ainda a precisar de muito apoio, a ideia foi sendo adiada durante alguns anos. A pandemia foi o combustível que faltava. Com o crescimento do comércio online, o conceito foi ganhando contornos mais definidos e foi fazendo cada vez mais sentido. E, aos 62 anos, antecipava a reforma, para se dedicar inteiramente a este projeto.

Love It Portugal foi o nome escolhido para esta marca e loja online que nasceu, em 2022, para dar visibilidade ao que de melhor se produz no País. Filigrana, malas, acessórios, flores de cerâmica e artesanato são as cinco categorias de produto. Nas filigranas, é possível encontrar peças típicas, como os Corações de Viana, mas também itens mais modernos e estilizados, entre brincos, fios, medalhas, pulseiras e botões de punho. Nas malas, há opções em cortiça, mas também em burel, tecido de lã, impermeável, típico da Serra da Estrela. Juntam-se ainda malas de junco, modernas e coloridas. Os acessórios, como porta-moedas, estojos, malas de cintura e outras bolsas variadas, são igualmente feitos de cortiça e burel. A oferta fica completa com uma seleção de delicadas flores de cerâmicas, modeladas à mão, e peças de artesanato, como diferentes interpretações do galo de Barcelos, andorinhas, músicos e sardinhas, tudo pintado à mão.

Ainda que os produtos sejam “very typical”, esta não é uma loja de souvenirs. “Quando falamos de comercialização de produtos típicos de um país, facilmente nos vem à ideia lojas cheias de produtos, alguns de baixa qualidade e que muitas vezes nem são produzidos em Portugal. A Love It Portugal não está nesse segmento”, afirma o fundador, sustentando que disponibiliza “peças únicas, de autor, modeladas à mão, fugindo à massificação de produtos”. “É o caso dos nossos galos em pé e dos nossos galos gordos, das nossas sardinhas quadradas. E das flores de cerâmica, que são completamente modeladas à mão, de uma delicadeza impressionante, diria até, autênticas obras de arte”, comenta.

Outro aspeto que diz distinguir a marca é que tem produtos eco-friendly. Por exemplo, todas as malas o são. “É por esse motivo que escolhemos matérias-primas renováveis como o burel, o junco e a cortiça, e não vendemos malas de pele”, concretiza. 

Também o conceito da loja a diferencia: “A maioria das lojas que divulga produtos portugueses só comercializa uma categoria de produto e a nossa é multicategoria”.

A loja online (para União Europeia, Suíça, Reino Unido, Noruega, EUA e Canadá) é o único canal de venda, mas está em preparação a entrada na plataforma Etsy, um marketplace global vocacionado para o artesanato e para produtos mais criativos. “Funcionará como extensão da nossa loja e vai permitir-nos chegar a um público mundial mais específico, que gosta e procura este tipo de produtos”, revela, adiantando que não está fora de questão vir a vender as peças em pequenas lojas especializadas no estrangeiro, mas esse não é, para já, o foco.

É para o digital que, naturalmente, converge a comunicação da marca – “canais que permitem ter um grande alcance”. As redes sociais são um veículo de divulgação e informação de excelência: Facebook, Instagram, Youtube e Pinterest. Acresce um blogue, onde são publicados artigos acerca de Portugal e dos produtos, assim como vídeos sobre o fabrico dos artigos.

“Tudo na marca expressa portugalidade”, nota António Moreira, aludindo aos produtos que fazem parte da História e cultura nacionais. Os clientes são, sobretudo portugueses – portuguesas, aliás, porque 75% são mulheres –, tanto residentes no País, como emigrantes.

Neste primeiro ano de atividade, de análise e consolidação de processos e da marca, o foco tem sido o mercado nacional: “Os portugueses serão sempre os nossos melhores embaixadores”, diz. Mas não só. “Temos tido uma ótima aceitação no mercado francês e também no Reino Unido e, mais recentemente, também nos EUA, onde estão rendidos à nossa filigrana e às nossas flores de cerâmica”, revela.

Atualmente, têm sido estes os mercados preferenciais, porque – observa – “o difícil não é abrir mercados, mas sim consolidá-los”. 

Em seguida, a aposta será na Suíça e na Bélgica e, numa perspetiva mais longínqua, a marca quer chegar ao Canadá e ao Japão. Em estudo está também o reforço da oferta com novas categorias de produtos. Entre as possibilidades estão bebidas, gastronomia, bordados e música.

E, ainda que considere que o timing de lançamento da marca não tenha sido o ideal – primeiro, porque aconteceu no fim da pandemia e as pessoas estavam novamente desejosas de voltar às lojas físicas; e, segundo, porque coincidiu com o início da guerra na Ucrânia –, a marca ultrapassou as expetativas. Faturou 20 mil euros. Valor que espera, pelo menos, duplicar este ano. 

Sofia Dutra

Este artigo saiu na edição impressa de outubro de 2023.

Segunda-feira, 04 Dezembro 2023 12:35


PUB