Uma em cada dez PME nacionais não armazena dados digitalmente

Uma conclusão da 3.ª edição do “Estudo Zurich PME: Riscos e Oportunidades”. Um número que vai ao encontro de uma em cada quatro PME portuguesa acreditar que a sua empresa é demasiado insignificante para ser alvo de cibercrime.

Ainda assim, o roubo de dados de clientes e o roubo de dinheiros/economias foram os potenciais efeitos de cibercrime mais referenciados. Porém, grande parte dos profissionais portugueses afirma que tem proteção atualizada e totalmente funcional.

No caso português, os principais riscos apontados pelos empresários foram o elevado nível de concorrência/preços de dumping que afetem as margens de vendas, inexistência de procura por parte dos consumidores/excesso de stock e ainda o roubo. Quanto às oportunidades, os portugueses salientam a redução de custos e despesas, os novos segmentos de clientes e as condições de crédito atrativas.

Referem os dados da Zurich que para mais de metade das PME em Portugal, a perda do principal fornecedor não teria qualquer impacto no negócio, uma vez que não dependem de um (único) fornecedor.

A terceira edição do estudo Zurich foi conduzida pela Gfk em 15 países e aplicada a 3 mil empresários de PME (0-250 colaboradores). Em todos os países foram questionadas 200 empresas através dos presidentes, diretores-gerais, diretores financeiros ou diretores de operações.

fibra@briefing.pt 

Segunda-feira, 16 Novembro 2015 11:48


PUB