Uma marca de pessoas para pessoas

Através da colaboração com vários Parceiros, a Cofidis pretende ser um exemplo para a promoção da sustentabilidade.

Na Cofidis, a promoção da sustentabilidade é “estrutural e trabalhada de forma transversal” à estratégia global da empresa, sendo um pilar que orienta as suas diversas dimensões, desde a cultura interna até à gestão do negócio. Com a ambição de difundir estes ideais com os colaboradores e, simultâneo, para melhorar os resultados nas áreas de trabalho “prioritárias”, a diretora de Transformação Estratégica, Sustentabilidade e Qualidade, Laurence Facon, resume a estratégia em cinco vetores. São elas: “acolher e acompanhar os colaboradores, respeitando a diversidade de todos e melhorando continuamente a sua experiência”, tendo investido, desde 2022, na sustentabilidade humana, com a disponibilização de iniciativas de promoção da saúde mental, através de consultas de psicologia e psiquiatria e eventos sobre este tema, fomentando o voluntariado, entre outras ações, o que resultou no reconhecimento como Great Place to Work, em 2023; exercer a atividade “de forma responsável e com o foco em melhorar continuamente a experiência proporcionada a Clientes e Parceiros”, estando comprometida no seu acompanhamento, “com soluções flexíveis e adaptadas”, algo que levou à subida de 12 pontos percentuais no NPS (Net Promoter Score); a utilização da tecnologia para “simplificar e melhorar as vidas”, sendo um exemplo a redução para metade do tempo médio de financiamento dos pedidos online; a contribuição para o desenvolvimento das comunidades onde está inserida, como é o caso do espaços de restauração localizados na sede, em Lisboa, que estão abertos ao público, e que são explorados por Parceiros sociais que empregam pessoas em situação de vulnerabilidade extrema e a cedência de dois apartamentos pessoas em situação de sem-abrigo; por último, a contribuição para a transição ecológica, através do compromisso de reduzir em 30% a pegada de carbono, através de medidas como a substituição da frota automóvel por carros elétricos e a oferta de passes de transporte a todos os colaboradores, que foram adotadas no ano passado. Muitas destas iniciativas são possíveis através de parcerias com entidades como o Café Joyeux, a Associação Crescer e o Bureaux du Coeur, com que tem sido desenvolvido um trabalho que “pode inspirar stakeholders e outras empresas a seguir políticas semelhantes”. “Estas parcerias têm a grande mais-valia de trabalhar a cultura interna, com valores de tolerância e consideração, tão importantes num mundo cada vez mais acelerado e com tantas injustiças sociais”, diz a porta-voz. “A cultura da Cofidis, centrada nas pessoas, no respeito pela diversidade e inclusão de todos, colaboradores, Clientes, Parceiros e com a comunidade em geral, é muito forte e, por isso, o impacto social que criamos ao mesmo tempo que garantimos a sustentabilidade do negócio, é natural em nós”, acrescenta. A responsável da marca acredita que “mais do que uma oportunidade, o desenvolvimento sustentável é uma inevitabilidade”. Na sua perspetiva, as instituições que querem sobreviver no futuro devem ter a sustentabilidade no centro da sua estratégia e a preocupação com a construção de um futuro melhor para todos. Para si, esta é uma preocupação cada vez maior por parte das pessoas e isso deve ser tido em conta pelas empresas para corresponderem a essas exigências. Ao longos dos anos, a Cofidis também tem tido uma preocupação na educação financeira, tendo sido “pioneira no setor”, através da criação do projeto de literacia Contas Connosco, em 2014, que conta já com mais de 20 milhões de visualizações de artigos. Devido a este projeto, atualmente, são várias as empresas, organizações e indivíduos a criar e difundir conteúdos de literacia. “Acreditamos que juntos, temos mais impacto na construção de um mundo melhor, pelo que inspirar outras empresas para o desenvolvimento sustentável é algo que encaramos também como uma missão”, remata.

Na Cofidis, a promoção da sustentabilidade é “estrutural e trabalhada de forma transversal” à estratégia global da empresa, sendo um pilar que orienta as suas diversas dimensões, desde a cultura interna até à gestão do negócio. Com a ambição de difundir estes ideais com os colaboradores e, simultâneo, para melhorar os resultados nas áreas de trabalho “prioritárias”, a diretora de Transformação Estratégica, Sustentabilidade e Qualidade, Laurence Facon, resume a estratégia em cinco vetores.  São elas: “acolher e acompanhar os colaboradores, respeitando a diversidade de todos e melhorando continuamente a sua experiência”, tendo investido, desde 2022, na sustentabilidade humana, com a disponibilização de iniciativas de promoção da saúde mental, através de consultas de psicologia e psiquiatria e eventos sobre este tema, fomentando o voluntariado, entre outras ações, o que resultou no reconhecimento como Great Place to Work, em 2023; exercer a atividade “de forma responsável e com o foco em melhorar continuamente a experiência proporcionada a Clientes e Parceiros”, estando comprometida no seu acompanhamento, “com soluções flexíveis e adaptadas”, algo que levou à subida de 12 pontos percentuais no NPS (Net Promoter Score); a utilização da tecnologia para “simplificar e melhorar as vidas”, sendo um exemplo a redução para metade do tempo médio de financiamento dos pedidos online; a contribuição para o desenvolvimento das comunidades onde está inserida, como é o caso do espaços de restauração localizados na sede, em Lisboa, que estão abertos ao público, e que são explorados por Parceiros sociais que empregam pessoas em situação de vulnerabilidade extrema e a cedência de  dois apartamentos pessoas em situação de sem-abrigo; por último, a contribuição para a transição ecológica, através do compromisso de reduzir em 30% a pegada de carbono, através de medidas como a substituição da frota automóvel por carros elétricos e a oferta de passes de transporte a todos os colaboradores, que foram adotadas no ano passado.

Muitas destas iniciativas são possíveis através de parcerias com entidades como o Café Joyeux, a Associação Crescer e o Bureaux du Coeur, com que tem sido desenvolvido um trabalho que “pode inspirar stakeholders e outras empresas a seguir políticas semelhantes”. “Estas parcerias têm a grande mais-valia de trabalhar a cultura interna, com valores de tolerância e consideração, tão importantes num mundo cada vez mais acelerado e com tantas injustiças sociais”, diz a porta-voz. “A cultura da Cofidis, centrada nas pessoas, no respeito pela diversidade e inclusão de todos, colaboradores, Clientes, Parceiros e com a comunidade em geral, é muito forte e, por isso, o impacto social que criamos ao mesmo tempo que garantimos a sustentabilidade do negócio, é natural em nós”, acrescenta.

A responsável da marca acredita que “mais do que uma oportunidade, o desenvolvimento sustentável é uma inevitabilidade”. Na sua perspetiva, as instituições que querem sobreviver no futuro devem ter a sustentabilidade no centro da sua estratégia e a preocupação com a construção de um futuro melhor para todos. Para si, esta é uma preocupação cada vez maior por parte das pessoas e isso deve ser tido em conta pelas empresas para corresponderem a essas exigências.

Ao longos dos anos, a Cofidis também tem tido uma preocupação na educação financeira, tendo sido “pioneira no setor”, através da criação do projeto de literacia Contas Connosco, em 2014, que conta já com mais de 20 milhões de visualizações de artigos. Devido a este projeto, atualmente, são várias as empresas, organizações e indivíduos a criar e difundir conteúdos de literacia. “Acreditamos que juntos, temos mais impacto na construção de um mundo melhor, pelo que inspirar outras empresas para o desenvolvimento sustentável é algo que encaramos também como uma missão”, remata.

Segunda-feira, 01 Abril 2024 12:53


PUB