Opinião

Porque há vida para lá de um e-mail

Paula CordeiroO correio electrónico, ao qual todos (ou quase) chamamos email invadiu as nossas vidas, melhorando a eficiência da comunicação. Até ao dia (que já deve ter chegado à maior parte das pessoas) em que se transformou num pesadelo.

terça-feira, 01 outubro 2013 10:20

Quantos de nós já não tentaram medir o seu grau de importância profissional, referindo, num tom que tem tanto de arrogante quando de desesperado, a quantidade de mensagens que recebe por dia, concluíndo que, dessas, apenas 10% eram efectivamente necessárias, 20% não lhe respeitam directamente, 10% são mensagens apenas para seu conhecimento e os restantes 50% serão spam ou algo não tão grave, mas igualmente dispensável. E números? Quantos não atiram com 200 ou 300 mensagens por ler para cima da mesa só para provar a sua relevância e incapacidade para gerir tal fluxo?

Páre de ler quem nunca o fez.

Agora que estamos em sintonia, falemos do que interessa: gerir a caixa de correio electrónica, separar o essencial do acessório. Sou incapaz de vos dar lições sobre o sistema de cores, a criação de regras, as pastas com tags, as ordens de prioridade. A mim, só me fazem perder tempo. Sou daquelas que tem tudo (ou quase tudo) no email e raramente encontra o que quer, quando precisa. Não sou desorganizada. Simplesmente não quero perder muito tempo a organizar a caixa de correio. Ganhar tempo. Eu sei que estão a pensar exactamente assim.

Criei umas regras para manter o mais importante organizado e, confesso, a minha regra preferida é a mensagem de férias. Para além disso, a melhor estratégia é ir consultando a caixa ao longo do dia, apagando o que não interessa e encaminhando para os locais devidos o que deve ficar arquivado. Tirando isso, não acredito em milagres. Paralelamente, encontrei uma excelente solução para diminuir o fluxo de mensagens na caixa de entrada. Deixei de usar a expressão “envia-me um email”, passei a telefonar sempre que a questão é simples e directa.

O resultado? Por enquanto não é brilhante, mas acredito que, se recuperarmos alguns hábitos do tempo em que a sociedade não estava (tão) digitalizada, possamos viver um pouco melhor.

Paula Cordeiro
Investigadora e Coordenadora da Unidade de Ciências da Comunicação no ISCSP

(Declaração de interesses: Paula Cordeiro é actualmente a provedora do ouvinte na rádio pública. Escreve na qualidade de investigadora na área da rádio)

Este artigo não foi escrito ao abrigo do Novo Acordo Ortográfico.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

terça-feira, 01 outubro 2013 10:20

bt nl

2050.Briefing

O Outdoor Honesto

À Escolha do Consumidor

Edições Especiais

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing