Opinião

Como trabalhar em plena crise

Todas as crises, além de vividas com o devido cuidado e respeito, apresentam-se como uma oportunidade para ganhar a confiança e o respeito dos shareholders e dos empregados. Não podemos negar que uma crise, se gerida em condições, pode ajudar uma empresa a elevar-se. O fundamental é que a resposta seja célere, eficaz e direta.

terça-feira, 24 março 2020 09:38
Como trabalhar em plena crise

 

Cabe a todos os responsáveis de marketing desempenhar um papel importante, ao prepararem planos para todos os cenários possíveis. Sejamos sinceros. As equipas de risco, RH, legal e operações vão estar focadas nos seus pontos. Cabe ao marketing preparar a estratégia de resposta adequada, de dentro para fora, que o mundo vai ver, e os funcionários devem viver. E, nesta fase, todos os cenários devem estar em cima da mesa. Só assim se pode planear com antecedência. Sabemos que os cenários mudam a cada segundo, e só com vários planos conseguimos estar preparados para responder a todas as necessidades. Mesmo que não tenhamos todas as informações, devemos criar o máximo de cenários possíveis.

Cada crise apresenta-se como um novo desafio, e a principal tendência será reagir, sem pensar primeiro, agindo e disparando em todas as direções, sem considerar um plano de ação. Mas esta não é, nem deve ser, a forma de trabalhar. É importante confiar nos processos que estavam definidos. É fundamental confiar nas equipas e na sua capacidade de resposta. E é também imperativo confiar nos instintos para saber agir e reagir. O primeiro passo em qualquer situação de crise é assim cuidar dos próprios funcionários, pois eles são o principal ativo de uma empresa.

Acreditar que esta crise, por mais dura que seja, também ela vai passar. E as empresas que saírem reforçadas na relação com os seus clientes são as que mais vão crescer. Num momento de crise é fundamental perceber o que as pessoas, de uma forma geral, precisam. Enquanto responsáveis de marketing, cabe-nos garantir que as nossas marcas servem o interesse público e que desenvolvemos um comportamento socialmente responsável. Mesmo durante uma crise.

Sobretudo o principal é perceber que uma crise não é o BAU – Business As Usual – onde executamos as nossas tarefas já programadas e onde apresentamos sempre a nossa proposta de valor. Numa crise precisamos sobretudo de pensar de forma diferente. Pensar como uma pessoa comum pensa e entender o que podemos fazer para as ajudar. É mandatório ouvir ainda mais os clientes e aproveitar essas informações para desenvolver a marca de formas que até então não tinham sido pensadas. Quantas vezes temos oportunidade para fazer uma pausa, ouvir com atenção e analisar o que nos estão a dizer? Agora é o momento de reagir, de ajudar e usar este hiato para preparar o plano digital, as parcerias e até redefinir todos os canais. É tempo de dar às pessoas o que elas precisam e preparar o dia de amanhã

O amanhã. Porque o amanhã vai chegar. E quando o amanhã chegar vamos querer que os nossos empregados tenham sido acarinhados, que tenhamos cumprido o nosso papel na sociedade, e que os nossos clientes estejam connosco.

 

Pedro Miguel Garcia, head of Marketing da Bet Entertainment Technologies Limited

 

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

bt nl

À Escolha do Consumidor

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing