Publicidade

ERC disponibiliza estudo sobre publicidade do Estado

jornais220.jpg
A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) disponibilizou a versão final do estudo sobre o investimento publicitário do Estado, que, segundo o trabalho, representa cerca de 10 por cento do investimento global nos meios em Portugal.
quinta, 27 janeiro 2011 10:53


A versão preliminar no trabalho havia sido apresentada em Outubro de 2010 durante a conferência anual do regulador, e o trabalho final fica a partir de hoje disponível para consulta na página Internet da ERC.

O estudo tomou como base os anos de 2008 e 2009 e utilizou como sustento financeiro os preços por tabela publicitária, não os preços reais do mercado.

Em 2009, num valor total de cerca de quatro mil milhões de euros nas diferentes plataformas, o investimento publicitário do Estado foi, segundo os preços de tabela, de 408 milhões de euros, 10,14 por cento do total.

Os valores apresentados incluem a presença do Estado em cinco áreas: a administração directa, a administração indirecta, entidades de regiões autónomas na dependência do Governo Regional, entidades de direito privado criadas pelo Estado para a prossecução de atribuições públicas e todo o sector empresarial do Estado.

Entidades como a Presidência da República, Assembleia da República, tribunais, entidades administrativas independentes, instituições de ensino e administração autónoma foram excluídas do trabalho da ERC.

No ano de 2009, em matéria de imprensa, a Direcção Geral de Contribuições e Impostos foi o maior anunciante, contando com espaço comercial reservado para classificados. Na televisão o maior investimento coube à Portugal Telecom, ao passo que na rádio o primeiro lugar pertence à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Os líderes no investimento na imprensa foram em 2009 o Correio da Manhã (30,16 por cento), o Jornal de Notícias (18,96), o Diário de Notícias (12,02) e o Expresso (10,76), ao passo que a revista Focus (0,86), o extinto diário 24 Horas (1,48) e a revista Sábado (3,08) foram as que tiveram menor investimento do Estado, contando com os classificados.

No que refere ao peso do investimento do Estado nos diferentes órgãos, o mesmo assume maior protagonismo no diário i (36,1 por cento), no semanário Sol (21,4) e no Correio da Manhã (21,1).

Na televisão, que recolhe o maior financiamento publicitário, a TVI lidera, com 33,28 por cento do investimento do Estado em 2009, enquanto a SIC obtém 31,99 por cento e a RTP 28,21 por cento, dados que incluem o investimento nos espaços no cabo detidos por cada canal.

Já na rádio, o investimento do Estado em 2009 foi maior na TSF (31,13 por cento), RFM (26,07) e Rádio Comercial (23,76).

O trabalho refere que o investimento publicitário do Estado aumentou em 2009, captando a televisão cerca de 80 por cento do investimento total.

O estudo usou como amostra uma base de dados de inserções de publicidade da Marktest.

Fonte: Lusa
quinta, 27 janeiro 2011 14:53

bt nl

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing