Publicidade

Publicidade 2.0 chega ao Washington Post

O Red, departamento de publicidade digital do Washington Post, continua a apostar no PostPulse focando-se agora nos anúncios de vídeo. A ferramenta de recomendação de conteúdo permitirá acelerar o carregamento de ficheiros, que mudam de tamanho e forma com base nas preferências do anunciante.

terça-feira, 03 janeiro 2017 12:11
Publicidade 2.0 chega ao Washington Post

A publicação deixa assim que marketeers experimentem formatos como o autoplay para o Facebook ou os vídeos na vertical para o Snapchat antes de investirem nessas plataformas.

De acordo com o Washington Post, o novo formato de vídeo, designado FlexPlay 2.0, permite reduzir o tempo de carregamento de ficheiros, melhores resoluções de vídeo, comprimir ficheiros e suporta vídeos com até mais 30 segundos. Marcas como a Lincoln, Giant Foods e Morgan Stanley já recorreram ao FlexPlay, atingindo taxas superiores a 50%.

Segundo a publicação, a ideia é ajudar as marcas a testar os formatos que melhor resultam no digital a partir de conteúdo desenhado para TV. "Muitas marcas e agências, quando criam estes vídeos, constroem-nos para a televisão e querem reutilizá-los na internet. Se o fizerem, vão ter maior alcance por uma quantidade menor de dinheiro, no entanto não o estão a fazer".

Através do FlexPlay 2.0, os anunciantes podem escolher a forma e o tamanho do vídeo, bem como se é horizontal ou vertical, havendo a possibilidade de definir proporções próprias. Segundo a publicação, o conteúdo do Washington Post é automaticamente adaptado ao tamanho do vídeo. É também possível adicionar legendas e botões das redes sociais, e experimentar o autoplay ou botões para os consumidores jogarem.

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

bt nl

À Escolha do Consumidor

Assinatura Mensal
Edição MensalE-paper

Facebriefing

Melhores Briefing