Quais as 10 tendências de consumo para 2016? A Ericsson sabe

O Ericsson Consumer Lab dá a conhecer o seu novo relatório anual sobre as 10 principais tendências de consumo para 2016. E a maioria dos consumidores inquiridos acredita que a inteligência artificial (AI) vai terminar com a era dos ecrãs nos próximos cinco anos.

A análise conclui que quatro em cada cinco pessoas estão envolvidas numa realidade em que os benefícios recolhidos dos serviços online aumentam à medida que o número de utilizadores desses mesmos serviços também aumenta.

Outra tendência é a geração streaming, que define a percentagem de 46% dos jovens com idades compreendidas entre os 16 e os 19 anos que passam uma ou mais horas por dia no YouTube. Quanto à tecnologia virtual, o Ericsson Consumer Lab concluiu que 44% dos consumidores quer imprimir a própria comida.

O relatório verificou também que 55% dos utilizadores de smartphones acreditam que os materiais de construção das habitações poderão integrar sensores para monitorizar problemas elétricos, humidades ou fugas de água nos próximos cinco anos. Já 86% dos inquiridos mostraram-se dispostos a usar serviços personalizados de deslocação pendular que forneçam itinerários inteligentes.

As restantes quatro tendências são a utilização de redes sociais para contactar serviços de emergência (6 em 10 consumidores estão interessados), sensores internos que meçam o bem-estar no corpo (8 em 10 gostavam de recorrer a tecnologia para melhorar capacidades cognitivas), a grande maioria de utilizadores de smartphones acredita que os ataques de vírus e hackers continuarão a ser um problema, e mais de terço dos inquiridos defende que a denúncia online de uma empresa corrupta tem um maior impacto do que uma denúncia feita na polícia (cidadão jornalista).

As previsões expressas no relatório derivam do programa global de investigação do Ericsson Consumer Lab e são baseadas na opinião dos consumidores. A tendência mais abrangente representa 1,1 mil milhões de pessoas em 24 países, e a menos abrangente representa cerca de 46 milhões de utilizadores de smartphones, residentes em 10 grandes cidades.

briefing@briefing.pt 

Terça-feira, 15 Dezembro 2015 10:39


PUB